Pular para o conteúdo principal

O dominó de Paulo

 Se, com o dedo ou por meio de um solavanco qualquer, de propósito ou por descuido, derrubarmos a pedra da frente de uma ou mais carreiras de dominós, esta fará cair a peça imediata e as seguintes. Haverá uma espécie de reação em cadeia. Rapidamente, uma após outra, todas as pedras estarão por terra.

O apóstolo Paulo coloca os mais importantes temas da teologia cristã dentro desse curioso fenômeno.

 

I.

É assim que ele explica a queda da raça humana. Adão era a pedra da frente, a primeira peça do dominó. Todos nós estávamos atrás dele. De sua permanência. Mas o primeiro homem caiu e por ele “entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte” (Rm 5.12). A carreira era comprida demais e até hoje a reação em cadeia não acabou. Essa é a maior tragédia de todos os tempos e a única explicação para os problemas do mal. Ninguém consegue parar essa sucessão de dominós em queda, deitando-se um sobre o outro. Daí dizer Paulo que “pela ofensa de um só” (5.15, 16, 17 e 18) ou “pela desobediência de um só homem” (5.19) “veio o juízo sobre todos os homens para condenação” (5.18).

 

II.

Mas, graças a Deus, é assim também que Paulo explica a salvação e o levantamento do homem em Cristo. Na sua graça e misericórdia, Deus cria mais uma fileira e abre tantas vagas quanto necessárias e coloca na frente aquele que é curiosamente chamado de segundo Adão (ou “o último Adão”, em 1 Coríntios 15.45), a primeira pedra, o Senhor e Salvador Jesus Cristo. Ele foi tentado à nossa semelhança, mas não se tornou semelhante a Adão em sua queda. Porque não transformou pedras em pão, não se atirou de cima do pináculo do templo, não se encurvou perante Satanás, não deixou de beber o cálice da morte, não desceu da cruz nem foi contido pelos grilhões da morte. Há segurança total, absoluta e eterna para quem se coloca atrás dessa “pedra que vive” (1Pe 2.4) e não cai, em hipótese alguma, embora seja rejeitada por muitos construtores desde os tempos apostólicos (At 4.11). “Por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para a justificação que dá vida” (Rm 5.20).

 

III.

O grande teólogo do cristianismo usa a ilustração do dominó em outra passagem das Escrituras. Preocupado com alguns membros da igreja de Corinto que não acreditavam na ressurreição dos mortos, Paulo demonstra que essa doutrina tem a proteção da ressurreição de Cristo e negá-la seria negar também a ressurreição de Jesus. Em outras palavras, a ressurreição do Senhor é a primeira peça do dominó. Se esta está de pé, as outras também estão. Para negar qualquer doutrina sob a cobertura da ressurreição de Cristo, o contestador se obriga a negar tudo, inclusive que Jesus, “depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas provas incontestáveis” (At 1.3). Nesse caso, há o caos, a derrubada total: a pregação apostólica é vã e mentirosa, a fé dos salvos é vazia, ninguém foi perdoado de seus pecados, os que morreram em Cristo pereceram e os crentes são os mais infelizes de todos os homens. O quadro seria despertador se Paulo não reafirma-se que a primeira pedra continua de pé: “Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo Ele as primícias dos que dormem (1Co 15.12-28).

 

Não é sem razão que o autor desses arrazoados termina em deles agradecendo a Deus por nos dar a vitória “por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo” e exortando os seus leitores a serem “firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é em vão” (1Co 15.57-58).

 

Fonte: Ultimato

Texto originalmente publicado na edição 105, novembro de 1977, de Ultimato.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid