Pular para o conteúdo principal

Economia colaborativa e a busca por associações para assistência veicular

 Em um país em que as rodovias e estradas, em sua maioria, são mal conservadas, cheias de buracos e sinalização ruim, os acidentes e as quebras mecânicas são constantes. Além disso, a criminalidade também é um fator de insegurança, onde são comuns os roubos e furtos de veículos. 


Assim, esse cenário de muitos riscos influencia diretamente o valor e as exigências das seguradoras, tornando os planos de seguros veiculares impossíveis para muitos trabalhadores, seja por seu valor ou pelas regras de aceitação de clientes.


Por isso, as associações de proteção veicular, como alternativas aos seguros tradicionais, vêm ganhando cada vez mais adesões, oferecendo segurança e assistência, cobrando preços mais em conta e construindo uma rede de economia colaborativa.


“As associações de proteção veicular vieram na esteira da economia colaborativa — tendência recente que se faz presente em diversos outros segmentos de prestações de serviços. Esse associativismo tem levado trabalhadores e empresas a articularem esforços conjuntos com o objetivo de defender interesses comuns”, disse o presidente da AutoVip, em Caruaru, Amarildo Batista.





Atuando na cidade desde 2014, a AutoVip é uma Associação de Assistência e Proteção Veicular para carros, motos, bikes, vans e caminhões que tem a cultura de colaboração no DNA e na relação de cada pessoa com a associação, pois compreende que a ajuda mútua é o jeito mais seguro, barato e inteligente de proteger um veículo. Com mais de oito mil associados, a AutoVip inaugura, no próximo dia 19 de abril, sua nova sede em Caruaru, onde vai fortalecer ainda mais a cultura da economia colaborativa na região.


Como funciona uma associação de proteção veicular?


O interessado adere à associação e paga a sua taxa de adesão e mensalidade, tornando-se um associado. Assim, caso ocorra um sinistro com você ou com algum outro membro naquele mês, o valor será coberto pela associação, sendo aquela despesa dividida integralmente entre todos os associados.


O atendimento e os serviços oferecidos pelas associações ficam disponíveis 24 horas para o associado, que pode contar também com tecnologias de rastreamento e monitoramento em situações de furto ou roubo nas estradas. Para os casos de reparos nos veículos, as associações disponibilizam uma ampla rede de oficinas credenciadas, com profissionais competentes.


É preciso, antes de mais nada, certificar-se da qualidade do serviço prestado pela associação escolhida. Colha dados sobre a satisfação dos associados (a Internet poderá ajudar nessa tarefa) e busque o máximo de informações e depoimentos possíveis sobre o serviço.


As associações não têm fins lucrativos. Em razão disso, a proteção veicular é bem mais em conta, se comparada ao seguro, e os motoristas terão nela uma boa alternativa para a diminuição dos custos nesse sentido.


“Imaginemos um jovem de 22 anos que busque os serviços de uma seguradora convencional. Ele entrará automaticamente no perfil de risco, tendo em vista a análise de perfil praticada nessas instituições, e pagará bem a mais pelo seguro de seu carro por isso. Em uma associação, ele pagará o mesmo que o seu tio de 65 anos pagaria. Nas associações, todos são tratados como iguais, podendo contratar os serviços de proteção veicular sob os mesmos termos. Isso se reverte em menor preço final, é claro”, finalizou Amarildo Batista.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid