Pular para o conteúdo principal

Dia do Índio é celebrado nesta segunda-feira, 19

 No dia 19 de abril é comemorado o Dia do Índio. O Ministério da Educação (MEC), por meio da Secretaria de Modalidades Especiais (Semesp), se empenha no desenvolvimento de políticas de valorização e inclusão direcionada aos indígenas. No Brasil, essa data comemorativa foi instituída por meio do Decreto-Lei nº 5.540, de 2 de junho de 1943.





A data foi escolhida quando representantes de várias etnias se reuniram, em 1940, no Primeiro Congresso Indigenista Interamericano, realizado na cidade Pátzcuaro, no México. O congresso tinha o propósito de discutir pautas a respeito da situação dos povos indígenas e zelar pelos seus direitos. Hoje, 78 anos após a sanção do Decreto-Lei, os propósitos continuam os mesmos: discutir pautas e zelar pelos direitos dos índios.

O Programa de Apoio à Formação Superior e às Licenciaturas Interculturais Indígenas (Prolind), por exemplo, é um programa que atua em escolas indígenas de educação básica. Ele estimula o desenvolvimento de projetos de curso na área das Licenciaturas Interculturais em instituições de ensino superior públicas federais e estaduais. O objetivo é formar professores para a docência no ensino médio e nos anos finais do ensino fundamental das comunidades indígenas. Nesse mesmo sentido, a Ação Saberes Indígenas na Escola (Asie) foi criada em 2013 e se destina à formação continuada de professores indígenas que atuam em sala de aula, preferencialmente nas séries iniciais.

O Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), gerido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), destina recursos financeiros às escolas públicas da educação básica para uso em despesas de manutenção do prédio escolar e de suas instalações, de material didático e pedagógico, e para realização de pequenos investimentos que assegurem as condições de funcionamento da unidade de ensino. Existem, dentro do PDDE, duas ações que atendem escolas que funcionam em ambiente rural, onde as escolas indígenas estão presentes, são eles: o PDDE Água e o PDDE Campo. As ações visam, respectivamente, levar o fornecimento contínuo de água ou o serviço de saneamento básico para as escolas que ainda não possuem, e apoiar as escolas em pequenas reformas que beneficiem a melhoria das instalações e da qualidade do ensino ministrado.

Existem, também, outros programas direcionados às escolas públicas que possuem valores diferenciados ou condições especiais para a educação indígena, como o Programa Caminho da Escola, o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), o Programa Mais Educação, o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (PNATE), entre outros.

Clique aqui e confira todas as ações e programas da Semesp.

https://www.gov.br/mec/pt-br/acesso-a-informacao/institucional/secretarias/secretaria-de-modalidades-especializadas-de-educacao

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid