Pular para o conteúdo principal

Artigo | Dai-lhes vós a vacina – por Roberto Celestino

  

Ele, porém, respondendo, lhes disse: Dai-lhes vós de comer. (Marcos 6:37)




Numa situação onde uma multidão faminta necessitava de alimento, ao ver a preocupação dos doze para que aquelas pessoas se alimentassem, Jesus respondeu: Dai-lhes vós de comer.

O que Ele nos diria (ou está dizendo) hoje ao vermos milhares de pessoas desesperadas pela ameaça da pandemia do coronavírus?

A pandemia causada pela Covid-19 continua fazendo milhares e milhares de vítimas todos os dias.

No início tudo parecia apenas números nos telejornais, mas agora, é nosso parente, nosso vizinho, nosso colega de trabalho. Pessoas que nem de longe imaginávamos que hoje tivemos o nosso último contato, nossa última conversa.

Se os números assustam a cada novo boletim, nos causa terror a realidade próxima a nós, pessoas próximas e queridas sendo ceifadas por este mal terrível.

Diante disso, temos percebido a urgência de pregarmos o evangelho aos que nos rodeiam.

A expectativa de receber as doses da vacina para toda a população é muito grande para salvar tantas vidas.

A salvação de almas também é urgente, e para isso, temos a "vacina", já está pronta, sem custos, só precisa de quem a distribua.

Nós cristãos precisamos imunizar a alma das pessoas infectadas pelo vírus do pecado e livrá-las da morte eterna.

Cada dia milhares e milhares de vidas estão caindo no inferno infectadas pelo pecado.

Temos visto os profissionais da saúde abrindo mão do tempo, do lazer, da família, para salvar vidas desse mal atual, a Covid-19.

E nós, Igreja de Cristo, o que estamos fazendo para salvar vidas?

A palavra de Deus apresenta o antídoto que anula o pecado.

Então: Dai-lhes vós a vacina.



Roberto Celestino

Diácono da PIB em Taquaritinga do Norte-PE

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid