Pular para o conteúdo principal

O choro é livre - por pr. Cláudio Godoy



Alegrem-se com os que se alegram e chorem com os que choram. Romanos 12:15


EMPATIA: ”Substantivo feminino. Ação de se colocar no lugar de outra pessoa, buscando agir ou pensar da forma como ela pensaria ou agiria nas mesmas circunstâncias.”


A crise não muda as pessoas, revela o caráter. O vírus já matou e infelizmente ainda vai matar, e não apenas no Brasil, é no mundo. Vivemos hoje em um mundo globalizado, Cabral levou 44 dias para chegar ao Brasil. Hoje um voo de Lisboa ao RJ tem previsão de 10 horas. Em 1500 uma pessoa infectada saia de Portugal e antes de chegar aqui teria os sintomas e provavelmente morreria no meio do caminho se o organismo não conseguisse lidar com o vírus. Hoje uma pessoa pode ser contaminada em outro continente e trazer o vírus incubado em seu corpo, antes de apresentar os sintomas. Enquanto o mundo não chegar a imunidade de rebanho ou ter vacina eficaz para todos, as mortes vão continuar. A China epicentro de origem continua em lockdown? A China já vacinou 30% da sua população, como fez o Chile? Não morreu ninguém na Coreia do Norte? O que é notícia seletiva?


É uma desonestidade intelectual insinuar que a desgraça maior está agora no Brasil. Não pode falar que o vírus é chinês, mais pode falar que a cepa é brasileira? O Brasil agora é o responsável pela pandemia? Aqui em Belo Horizonte montaram um hospital de campanha, em outubro de 2020 desmontaram tudo, e agora a cidade entrou em colapso com toque de recolher. A culpa foi do governo federal? De forma alguma quero ser insensível a dor de luto daqueles que perderam parentes para o vírus. Porem pobre morrer na fila do SUS por falta de atendimento nunca foi novidade no Brasil. Chega de demagogia.


Na guerra a morte chega, porem para os vivos a vida continua apesar da dor. Estamos em tempo de guerra. Ontem morreu, hoje morreu, e amanha vai morrer. Gente rica está morrendo em hospital particular com todo atendimento possível. A doença mata, não te cura, e não existem ainda vacinas em quantidade para toda a população mundial, o problema não é só no Brasil. _”União Europeia ameaça barrar exportações da vacina de Oxford. Bloco se queixa da demora em receber doses do imunizante”_. G1 20/03/2021 É um golpe a manipulação da informação, insinuando que as mortes e a falta de vacinas são um problema apenas do Brasil. 


Os vivos têm que continuar vivendo. Que besteira é essa de lockdown nacional total? Quem são esses especialistas? Tecnocratas, burocratas, funcionários públicos que vivem em uma zona de conforto. Que de forma utópica defendem aquilo que não é possível fazer? Dizer que especialistas são unanimes sobre a “solução” do lockdown é falar mentira. Pelo contrário existem sim, especialistas que já alertam que o lockdown piora a situação. E além de não ser possível fazer um lockdown total, o efeito colateral de tentar é desastroso. O Estado pode bancar renda mínima para as pessoas ficarem em casa? Qual o valor de uma renda básica mínima, ideal? O Estado não produz riqueza, ele vive como parasita sugando através de impostos da inciativa privada, que de fato produz riqueza. Destruir a atividade econômica é uma loucura de fazer o Estado matar a galinha dos ovos de ouro.


Apresentadora de telejornal do maior grupo midiático do Brasil. Uma pessoa que ganha de acordo com sites de fofoca televisiva cerca de R$ 60.000,00 por mês, valor que um trabalhador que ganha salário mínimo leva cinco anos para ganhar. Uma pessoa que não foi proibida de trabalhar, e na maior demagogia, defende o lockdown para os outros e ainda diz que o choro é livre? E que o governo tem que resolver o problema de quem é proibido de trabalhar? Vamos fazer o seguinte, eu vou concordar com ela, desde que...


Seja demitida, como muitos já foram, proibida de trabalhar para ficar em lockdown. Que seja confiscada toda sua reservar financeira, que ela por fazer parte de uma classe média alta tem, diferente da maioria da população. E que pelo tempo necessário para a pandemia passar, lhe seja entregue um auxilio mensal emergencial de R$ 600,00. Todos que de forma hipócrita abrem a boca para defender lockdown e condenar quem sai de casa para trabalhar, ou é funcionário publico que não teve um centavo de perda salarial, ou socialista de Iphone que faz parte de uma elite que pode ficar trabalhando ou ficar em casa atoa. A realidade do povo não permite choro, nem mimimi...


Temos que chorar com os que choram as mortes. E temos que nos alegrar com aqueles que passaram pelo vale da sobra da morte, e venceram. Daqueles que precisaram de atendimento 97,24% venceram a morte. No Brasil já temos mais de 7.000.000 de curados. Lamento profundamente cada morte, porem digo, cada pessoa que sai viva de um hospital é uma festa. Graças a Deus, e se não fosse o heroísmo dos profissionais de saúde, os coveiros estariam tendo mais trabalho. Apesar dos profetas do apocalipse, com seu terrorismo psicológico e sua torcida para a desgraça aumentar. Claro que para alguns o conveniente é contabilizar e divulgar apenas o número de mortos...


Ninguém é fascista ou genocida por precisar trabalhar para sustentar a família. Atividade essencial é todo trabalho honesto que permite a uma pessoa ter o seu sustento. Em abril de 2020 o STF decidiu que prefeitos e governadores teriam a palavra final sobre suas jurisdições, se eles por incompetência fracassaram, gastaram milhões com hospitais de campanha que desapareceram. Tiveram tempo para preparar para o pior e não o fizeram. E agora a culpa é do trabalhador que sai de casa para sustentar sua família? Sim, o choro é livre? Para quem perdeu parente e tem que levantar, respirar fundo, erguer a cabeça e sair de casa de máscara, que esconde o rosto triste e ir trabalhar, porque se ficar em casa, sem trabalhar, a desgraça vai ser maior...


Pr. Cláudio Godoy BH-MG

21/03/2021

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio