Pular para o conteúdo principal

Deputados da bancada evangélica da Alepe assinam Carta Aberta sobre novo Decreto

 

Deputados que integram a Bancada Evangélica na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) divulgaram uma carta aberta, solicitando a inclusão das atividades religiosas nos serviços essenciais. As novas medidas, anunciadas pelo Governo do Estado na segunda-feira (1º), inviabilizam a realização de cultos e atividades religiosas presenciais, gerando preocupação para lideranças e membros dessas instituições. O decreto, que estará em vigor entre os dias 03 e 17 de março, proíbe a realização atividades chamadas de ‘não-essenciais’ em todo o estado, das 20h às 05h de segunda a sexta-feira e durante o dia todo aos finais de semana.


Em tom ameno e objetivo, a carta propõe a reavaliação do decreto para que atividades de culto possamo ocorrer diariamente até as 21h, mantendo o horário médio de funcionamento das instituições. O documento visa garantir a manutenção dos exercícios religiosos, salientando que os fiéis deverão cumprir as medidas recomendadas pelas autoridades sanitárias, a exemplo da higienização dos espaços, uso de máscaras e álcool em gel.


No documento, os parlamentares ressaltam que “as entidades religiosas prestam serviços de extrema importância à comunidade, através de serviços voluntários de assistência espiritual e emocional, oferecendo consolo, esperança e orientação aos que fazem parte das comunidades religiosas e ao público em geral”.


Os integrantes da Bancada Evangélica também se colocam a favor da aceleração do processo de vacinação no estado e de mais investimentos na Saúde, visando à redução do contágio da doença. A carta aberta é assinada pelos deputados Erick Lessa, Clarissa Tercio, Joel da Harpa, Pr. Cleiton Collins, Romero Sales Filho, Dulcicleide Amorim, Fabíola Cabral, William Brigido, Marco Aurélio Meu Amigo e Adalto Santos. O deputado federal Ossesio Silva também assina o documento.






Confira a íntegra do documento:



CARTA ABERTA DE DEPUTADOS DA BANCADA EVANGÉLICA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE PERNAMBUCO



Nós, deputados estaduais da Bancada Evangélica da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), vimos, por intermédio desta carta, apresentar alguns pontos referentes às medidas do Governo do Estado de Pernambuco, que estarão em vigor entre os dias 03/03 e 17/03,  proibindo a execução das atividades denominadas “não essenciais” das 20h às 5h, de segunda a sexta em todo o Estado. 

Antes de tudo, registramos nossa solidariedade às famílias de milhares de vítimas da covid-19. Entendemos que a prática básica do cristão é o amor ao próximo (cf. Mt. 22:39), cuja expressão ocorre por meio da empatia ao semelhante. Também registramos nossa preocupação com os índices crescentes dos casos da doença e reiteramos a necessidade de investir na área da Saúde, bem como encontrar alternativas para acelerar a vacinação dos pernambucanos.

Tendo em vista as múltiplas dificuldades advindas da pandemia, que imiscuem-se nas mais diversas áreas sociais, ressaltamos que as entidades religiosas prestam serviços de extrema importância à comunidade, através de serviços voluntários de assistência espiritual e emocional, oferecendo consolo, esperança e orientação aos que fazem parte das comunidades religiosas e ao público em geral.

Levando em consideração a relevância desses serviços, sobretudo em um momento de crise como este, solicitamos que o Decreto Estadual seja reavaliado, permitindo o funcionamento dos cultos religiosos, diariamente, até as 21h. Destarte, lideranças e fiéis poderão manter suas atividades de culto, observando as medidas sanitárias vigentes, por meio da higienização dos espaços, uso de máscaras e álcool em gel, bem como respeitando as normas de distanciamento social.

Por fim, queremos ressaltar que um dos pilares da Reforma Protestante é a separação da Igreja e do Estado. Cremos que ambos são ordenados pelo Senhor Deus, possuindo papéis distintos. O Estado deve manter a ordem e a paz, exercendo a autoridade civil e proporcionando o bem-estar coletivo; já a Igreja é a comunhão de cristãos visando a servir e cultuar o Senhor Jesus Cristo, por meio da proclamação e do exercício da Mensagem Bíblica. Assim, cabe à Igreja respeitar o Estado, e este deve garantir liberdade plena àquela. Pleiteamos a reavaliação do Decreto, como supramencionado, para incluir as atividades religiosas como serviços essenciais, baseados no propósito de que Igreja e Estado devem ser cooperadores na busca pela justiça e pela paz.


Que o Espírito de Paz e Sobriedade esteja entre nós para enfrentar os desafios do tempo presente. Que assim seja!


Recife, 1º de março de 2021.


Subscrevem a CARTA ABERTA DE DEPUTADOS DA BANCADA EVANGÉLICA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE PERNAMBUCO:



1. Erick Lessa;
2. Clarissa Tercio;
3. Joel da Harpa;
4. Pr. Cleiton Collins;
5. Romero Sales Filho;
6. Dulcicleide Amorim;
7. Fabíola Cabral;
8. William Brigido;
9. Marco Aurélio Meu Amigo;
10. Adalto Santos;

11. Deputado Federal Ossesio Silva.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio