Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Um sorriso inocente - por Amanda Rocha


O velocípede quebrado era de sua irmã mais nova, ganhara já de segunda mão, mas para ele lhe servia como um patinete: empurrava com um dos pés no chão, enquanto o outro pousava sobre o assento rosa já ressecado. As costas curvadas e o sorriso leve de dentes expostos cativaram-me a sorrir junto. O garoto de pele negra e semblante de paz caminhava de cima a baixo naquela rua acidentada e coberta pela terra seca do agreste nordestino. As pequenas casas se agrupavam lado a lado numa assimetria de tijolos, madeiras, telhas e lonas; todos sem cores. Suas frentes eram regadas pelo córrego fétido e nauseante da ausência de saneamento. Não poucas vezes este cenário encobria a ainda bela paisagem da caatinga que os cercava; tão seco e causticante cenário do mês de janeiro. Cachorros franzinos e famintos completavam a cena, bem como, outras crianças que gritavam e corriam na tentativa de alçarem voo. Em algumas bocas, chupetas; em outras, palavras pervertidas. Os homens já adultos com os seios expostos seguravam copos com bebidas alcoólicas e ouviam suas músicas da moda; ao lado, as mulheres, quase que desnudas, balançavam-se tentando acompanhar o ritmo que tocava. A fumaça dos cigarros pairava sobre eles e cobriam-lhes os vícios. O menino continuava a sorrir e brincar em seu patinete improvisado. Parou apenas por um momento e perguntou a um senhor já de idade que estava sentado num pequeno banco de madeira afastado dos adultos: seu Zé, eu vi num filme, na TV lá do bar de Nequinho, uns animais falando. Tem animais que falam de verdade ou isso só acontece nos filmes? O Senhor com olhos acolhedores girou um pouco a cabeça em uma nítida expressão de surpresa e carinho. Sorriu pensando como iria responder, mas antes de esboçar qualquer palavra fora atraído pelo choro de uma pequena, era a irmã do garoto, ela havia tropeçado enquanto corria. Sua mãe, junto às demais mulheres e com um cigarro nas mãos, grita para o menino, chamando-o por um apelido e com os braços gesticulando bruscamente, e ordena: vá ajudar sua irmã logo, vá! Ela continuou dançando enquanto ele corria desbravadamente como um super-herói para acudir sua irmã. Ergueu-a e ainda lhe beijou a testa. Ela voltou a correr e ele a passear com seu patinete. O senhor do banco olhou para o céu estiado e em seguida baixou a cabeça, parecia agradecido por ter conseguido livrar-se de uma pergunta tão difícil como aquela. Ele ficara entre a cruz e a espada: mentir ou acabar com a inocência de um infante? O silêncio, à semelhança de muitas situações, coube como a melhor resposta.

A indicação de leitura hoje é de O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint- Exupéry. Deus nos abençoe!




Comentários

  1. Gostei demais, parece que está contando a história do povo do Sertão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid