Pular para o conteúdo principal

O porco pródigo - por Patrícia Oliveira

  "Teria sido melhor que não tivessem conhecido o caminho da justiça, do que, depois de o terem conhecido, voltarem as costas para o santo mandamento que lhes foi transmitido." (2 Pedro 2:21)


Muitos de nós estamos familiarizados com a história do filho pródigo. Mas e a história do porco pródigo? Ela está na Bíblia também: "Teria sido melhor que não tivessem conhecido o caminho da justiça, do que, depois de o terem conhecido, voltarem as costas para o santo mandamento que lhes foi transmitido. Confirma-se neles que é verdadeiro o provérbio: 'O cão voltou ao seu vômito' e ainda: 'A porca lavada voltou a revolver-se na lama'" (2 Pedro 2:21-22).


Há muitas razões pelas quais eu sei que a Bíblia é verdadeira, e duas delas estão na passagem acima. Eu já vi um cachorro voltando ao seu próprio vômito. Se você já teve um cachorro, provavelmente também já viu. Quanto aos porcos, você pode pegá-los, vesti-los, e até mesmo passar perfume neles. Mas na primeira chance que tiverem, eles irão direto para a lama. Por quê? Porque um porco é um porco.


Assim, quando uma pessoa afirma ser cristã, é assim que sabemos se ela realmente é seguidora de Jesus Cristo. Os crentes, mesmo quando erram, sempre voltam-se para Deus. Os descrentes não. Escrevendo sobre este assunto, o apóstolo João disse: "Eles saíram do nosso meio, mas na realidade não eram dos nossos, pois, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; o fato de terem saído mostra que nenhum deles era dos nossos." (1 João 2:19).


Assim, quando olhamos para pessoas que parecem ter se afastado do Senhor, e nos questionamos se elas perderam sua salvação, sugiro considerar que elas na verdade nunca estiveram salvas. 



Patrícia Oliveira é missionária da 2ª  Igreja Evangélica Congregacional Vale da Benção do bairro Kennedy (Caruaru-PE).

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas