Pular para o conteúdo principal

Gênesis: a novela que fazem da novela - por Lidice Meyer P. Ribeiro

Mais uma personagem feminina na novela Gênesis da TV Record tem atraído a atenção do público nos últimos dias. Trata-se de Semíramis, vivida pela atriz Francisca Queiroz, que na trama é mãe/amante do personagem bíblico Ninrode (Pablo Morais). Segundo o instagram da novela, a personagem é movida por carências oriundas do pecado de Eva.




Semíramis não é uma personagem da Bíblia. Ela faz parte da mitologia assíria onde seria uma rainha relacionada aos jardins da Babilônia. Já Ninrode é citado em Gênesis 10.8-12 como sendo um valente caçador, descendente de Cam (filho de Noé), poderoso na terra e fundador de várias cidades, dentre as quais, Babel. Tudo o que passa disso vem da imaginação dos roteiristas da novela.
 
Que os roteiristas criem personagens e estórias fora da Bíblia é compreensível, já que a novela precisa de um enredo. Mas que os crentes fiquem fantasiando sobre o enredo, isso sim não é normal! Ao invés de usar a Bíblia para avaliar a novela, muitos crentes têm usado a novela para avaliar a Bíblia, tomando o enredo como Palavra de Deus e criando falsas teologias e análises sobre a trama da novela. Assusta-me ler entre comentários e postagens de alguns pastores e crentes evangélicos: “Ninrode era bruxo e criou a astrologia”; “Ninrode era possuído por uma legião de demônios”, “Ninrode foi morto por seu avô”, “Ninrode é o protótipo do anticristo”, “Semíramis criou a árvore de natal onde pendurava cabeças de criancinhas”, “a cruz de Cristo era um símbolo de Tamuz, filho de Semíramis”; “há duas descendências: a de Adão e a de Eva”, “Deus destruiu a torre de Babel por causa do incesto” dentre outros mais. E isso sem falar das palavras de baixo calão encontradas em alguns desses comentários.
 
Enquanto isso, o personagem de Lúcifer (Igor Rickli) ganhou fã clube e está bombando nas redes sociais com milhares de memes. É, parece que na entrega do “Óscar” de criatividade, os roteiristas da novela vão perder para os crentes-intérpretes da novela!
 
É triste constatar que a falta de conhecimento da Palavra de Deus está crescendo no meio evangélico. Há carência de vontade de pesquisar as Escrituras como os cristãos de Beréia (At 17.11). E olha que não é difícil, já que a produção da novela tem tido o cuidado de colocar na tela os textos bíblicos, quando são aplicáveis. Cabe a pesarosa conclusão de Deus para a qual o profeta Oséias já havia alertado há milênios: “O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento.” (Os 4.6)

• Lidice Meyer Pinto Ribeiro é doutora em Antropologia e professora convidada na Universidade Lusófona, Portugal.

Fonte: Ultimato

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas