Pular para o conteúdo principal

Trump declara 22 de janeiro dia da ‘Santidade da Vida Humana’

 O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, emitiu uma declaração, no último domingo (17), proclamando a próxima sexta-feira (22) como o Dia Nacional da Santidade da Vida Humana. Abertamente contrário à prática do aborto, o presidente americano destacou no documento a importância de combater o aborto e de defender a vida dos recém-nascidos.


– Por causa da devoção de inúmeros pioneiros pró-vida, o chamado para que todas as pessoas reconheçam a santidade da vida está ressoando mais alto na América do que nunca. Na última década, a taxa de abortos diminuiu constantemente e, hoje, mais de três em cada quatro americanos apoiam as restrições ao aborto – afirmou.


Trump também ressaltou o trabalho realizado por ele durante o mandato para defender a vida – como a reinstituição da Política da Cidade do México, que evitou financiamento dos Estados Unidos a entidades relacionadas ao aborto – e a defesa na ONU dos países que são contrários ao procedimento.

– Tive o profundo privilégio de ser o primeiro presidente da história a participar da Marcha pela Vida, e é o que motiva minhas ações para melhorar a adoção e o sistema de acolhimento de nossa nação, garantir mais financiamento para pesquisas sobre a síndrome de Down e expandir na saúde serviços para mães solteiras – escreveu.

Por fim, o chefe de Estado pediu que os cidadãos americanos continuem refletindo sobre as vidas perdidas por conta da prática do aborto e que movimentos pró-vida continuem atuando para defender a vida das crianças.

– Peço a cada cidadão desta grande nação que ouça o som do silêncio causado por uma geração perdida para nós e, então, levante sua voz por todos os afetados pelo aborto, tanto [os] visíveis quanto [os] invisíveis – completou.


Trump fez forte declaração contra o aborto ao proclamar dia da Santidade da Vida Foto: Pixabay
Fonte: Pleno News



Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas