Pular para o conteúdo principal

Primeira Igreja Batista em Senhor do Bonfim-BA celebra 100 anos

A Primeira Igreja Batista em Senhor do Bonfim-BA chega ao seleto rol de Igrejas Batistas centenárias ao completar seus 100 anos de organização no dia 14 de novembro de 2020. As celebrações foram realizadas nos dias 28 e 29 de novembro do mesmo ano, com a participação do pastor Adelson Santa Cruz, presidente da Convenção Batista Baiana (CBBA), pastor Genilson Souto, secretário-geral da CBBA, e pastor Edson e Ângela Silveira, missionários coordenadores da CBBA nas Associações Noroeste e Norte Vale.

 

A história da PIB em Senhor do Bonfim-BA começa com a Congregação, organizada no dia 14 de dezembro de 1911, quando a localidade ainda era chamada de Villa Nova da Rainha. A organização da Igreja deu-se em 14 de novembro de 1920, conforme noticiado na edição de O Jornal Batista, da Convenção Batista Brasileira (CBB), em 30 de dezembro daquele ano: “No dia 14 deste às 21 horas, depois de cantos espirituais e fervorosas orações estando presentes os irmãos Dr. W. B. Sherwood, o pastor José Félix e um crescido número de irmãos e assistentes, foi organizada em igreja batista a então congregação batista da cidade de Bonfim, hoje igreja do mesmo nome. Fizeram parte nessa organização 30 crentes vindo com suas cartas demissórias das seguintes igrejas: Primeira igreja da Bahia, Igreja de Juazeiro e Igreja de Irará”.

No dia seguinte, foram batizados quatro irmãos os quais foram contados como membros fundadores da nova Igreja. A primeira diretoria ficou constituída da seguinte forma: presidente: pastor José Félix Pereira (primeiro pastor da Igreja); primeiro-secretário: Mainart José de Souza; segundo secretário: Antônio Ferreira de Souza; tesoureiro: Marcos Batista. Na mesma ocasião foi organizada a Sociedade de Senhoras, com a seguinte diretoria: presidente: Aurélia Dias; vice-presidente: Maria Aurélia Duarte; secretária de arquivo: Guiomar Monteiro; secretária correspondente: Maria Isabel de Queiróz; Tesoureira: Maria d’Alencar.




A PIB em Senhor do Bonfim-BA foi a primeira Igreja da região a receber uma assembleia da Convenção Batista Baiana. A data foi 23 a 25 de julho de 1952. Naquela época, a Igreja fazia parte da então Associação Batista Distrital da Região Leste da Bahia, que abrangia Igrejas desde Alagoinhas até Juazeiro. Em 1972, foi criada a Associação Batista Noroeste desmembrando as Igrejas da região da Associação Leste.

Vários pastores conduziram o rebanho do Senhor na PIB durante esses cem anos. Alguns foram interinos, outros efetivos. Encontramos registros dos seguintes: José Félix Pereira, Amorim e Silva, Otoniel Andrade, Eugênio Ribeiro Chagas, José Heleno e Silva, Francisco Sales Nery, Sebastião Rolim de Siqueira, Orlando Silva Santos, Nidoval Pontes Gadelha, Otílio Morais de Castro, Valdemir Luiz dos Santos, Aldo Pereira Sousa, José Rosa da Silva Filho, Sebastião Gonçalves, Jeremias Souza Brito e Wilians Pereira Silva.

 

Lidiane Ferreira

jornalista, gerente de Comunicação e Marketing da Convenção Batista Baiana (com informações do pastor José Loula Jr.).


Fonte: Convenção Batista Brasileira

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid