Pular para o conteúdo principal

Opinião Construtiva | A violência natural e o thanatos freudiano – por Mário Disnard

 O conhecimento de que uma tendência agressiva é um verdadeiro instinto, destinado primordialmente a conservar a espécie, nos faz compreender a magnitude do perigo é a espontaneidade desse instinto que o torna tão terrível”



No elenco de autores que defendem a naturalidade da violência pode se incluir Freud. Ele sustentou a tese de que a agressividade poderia ser considerada mais do que um instinto, uma pulsão natural. Identificou dois instintos naturais no ser humano, eros e thanatos, que por serem instintos primários e manifestam através de pulsões inerentes a natureza humana. O eros desenvolve todas as pulsões do instinto de sobrevivência enquanto o thanatos é um instinto agressivo destrutivo.

Nas suas análises Freud pondera que o thanatos freudiano não deve ser entendido como mero instinto destrutivo. A agressividade natural humana surgiu como produto da evolução da espécie no marco da seleção intra específica: “É mais do que provável que os efeitos nocivos dos impulsosde agressão do homem, que Freud explicava postulando um impulso tanático especial, se devam simplesmente a que a seleção intra específica fez aparecer através da evolução do homem em épocas primeiras certa quantidade de pulsões agressivas para as quais não tem válvula de segurança a atual sociedade tal e como ela está organizada”.

A agressão natural não é uma mera pulsão de morte, ela se explica como apoio ao instinto principal de todo ser vivo, ou seja, a sobrevivência. As pulsões agressivas foram desenvolvidas pela natureza humana como parte do instinto da sobrevivência. Elas surgiram adaptadas ao contexto de um animal que não tem grande poder destrutivo, o que possibilitou um alto desenvolvimento da agressividade com um baixo impacto sobre os congêneres.

Nos dias de hoje o que chama atenção é para o fato de que a potência da agressividade humana mudou qualitativamente quando continuou existir junto com a potência das ferramentas, tecnologias e o poder social. Este seria o grande desafio da humanidade administrar a potência de uma agressividade natural no contexto poder destruidor que as sociedades adquiriram novas técnicas.

Para finalizar, há um transvase rápido de verdades dos discursos antropológicos para os políticos e econômicos. Deste modo a naturalização da violência legítima seu uso cultural, instaurando o que podemos denominar de uma cultura de violência. Esta também a legitima como meio justo para impor os princípios do poder e da ordem, e se apresenta como o meio natural de instauração e preservação à ordem social, e como consequência o direito.



Mário Disnard é professor, com graduação em História e Gestão em Recursos Humanos. Possui pós-graduação em Gestão do Capital Intelectual e Coordenação Pedagógica. Foi Articulador da EJA da Prefeitura Municipal de Caruaru. Tem experiência na área de Administração. Foi coordenador do Fórum Estadual de Educação de Jovens e Adultos biênio 2014/2016, Foi vice-presidente dos Conselhos Municipais de Assistência Social e Direitos da Criança e do Adolescente de Caruaru. Participou da Construção do Plano Municipal de Educação de Caruaru. Pesquisador em EJA com publicações Nacionais e Internacionais. Em 2020 lançará o livro com a mesma temática do trabalho apresentado em Portugal pela editora Appris.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio