Pular para o conteúdo principal

Opinião Construtiva | Distinção qualitativa entre violência e agressividade… - por Mário Disnard

No debate filosófico sobre a naturalidade da violência está instaurado desde os primórdios da modernidade, de forma paradigmática, sentenciou que o estado de natureza humano é um estado de guerra de todos contra todos. O liberalismo econômico reagiu parcialmente as propostas absolutistas, mas não questionou em absoluto o pressuposto filosófico de que o estado de natureza humano é necessariamente violento. Pensou o Estado e o mercado como instituições que regulariam produtivamente a lógica da violência inerente à natureza humana e à sociedade.

Com tal objetivo instituíra-se o monopólio da violência no Estado e se deixou que no mercado vigorasse a lei natural da concorrência de todos contra todos. Esta seria o resíduo da violência natural que regula racionalmente asa relações sociais embora beneficiando aos mais fortes, como corresponde à suposta lei da seleção natural.

Em primeiro lugar temos de se fazer uma distinção conceitual importante entre agressividade e violência. Ambos termos se utilizam indistintamente, o que leva, na maioria dos casos, a confundi-los como dimensões equivalentes do comportamento humano e até animal. Não se pode identificar violência com agressividade porque entre ambas há uma diferença qualitativa pela qual a agressividade, sob suas diversas formas, pode ser considerada natural enquanto a violência é definida pela sua intencionalidade estratégica.

A consideração da violência como uma pulsão natural do comportamento humano, e consequentemente das relações sociais leva a conclusões fatalistas sobre sua presença inevitável na sociedade e no poder. Este debate clássico abrange estudos em todas as áreas do saber, mas que tem seu ponto de partida na antropologia filosófica.

A intencionalidade significativa traduz o ato violento na lógica dos meios e fins. Nossa lógica a violência opera sempre como meio para um fim intencionalmente previsto. Na lógica dos fins, a violência é um meio instrumental, ou seja, a violência é o meio estratégico para um fim almejado.

Para finalizar, a intencionalidade despoja a agressividade da inconsciência natural para elaborar hermeneuticamente a violência como um meio estratégico para um fim. Essa é a característica da lógica instrumental que requer, em maior ou menor grau, uma intencionalidade prévia, ou seja, uma premeditação de meios e fins em que a violência deixa de ser uma mera pulsão natural agressiva para se transformar numa decisão deliberativa. A racionalidade instrumental produz a violência como ato deliberado, a diferença da pulsão agressiva que existe como instinto sem intencionalidade prévia. A distinção feita entre violência e agressividade possibilita aceitar a tese de que há uma certa pulsão agressiva natural inerente ao instinto da vida, porém ela não se idêntica com a violência uma vez que toda violência é produzida intencionalmente no contexto de uma sociedade.


Mário Disnard é professor, com graduação em História e Gestão em Recursos Humanos. Possui pós-graduação em Gestão do Capital Intelectual e Coordenação Pedagógica. Foi Articulador da EJA da Prefeitura Municipal de Caruaru. Tem experiência na área de Administração. Foi coordenador do Fórum Estadual de Educação de Jovens e Adultos biênio 2014/2016, Foi vice-presidente dos Conselhos Municipais de Assistência Social e Direitos da Criança e do Adolescente de Caruaru. Participou da Construção do Plano Municipal de Educação de Caruaru. Pesquisador em EJA com publicações Nacionais e Internacionais. Em 2020 lançará o livro com a mesma temática do trabalho apresentado em Portugal pela editora Appris.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid