Pular para o conteúdo principal

Janeiro Branco - Médico orienta sobre cuidados com a saúde mental

 Muitas vezes somos consumidos por estresse, tristeza, dificuldade nas relações e desânimo. Todos esses sintomas podem afetar a saúde mental. O cérebro pede ajuda e é muito importante o apoio de um amigo, um familiar ou um profissional de saúde. Pensando nisso, com o intuito de incentivar as pessoas sobre a importância de cuidar da mente, o mês de janeiro é dedicado à campanha “Janeiro Branco”, como uma maneira de reforçar o tratamento nos aspectos emocionais e mentais da vida.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a população brasileira tem sido cada vez mais acometida por problemas de saúde mental, sendo o segundo país com o maior número de depressivos, ficando atrás somente dos Estados Unidos. Os dados mostram ainda que o Brasil também é o país com maior prevalência de ansiedade no mundo.

O médico psiquiatra Dannilo Isidoro, do Instituto Brasileiro de Psiquiatria (IBP), afirma que ainda há um tabu quando se fala em cuidados com a saúde mental. “As pessoas ainda têm dificuldade ou medo de falar sobre emoções e sentimentos, com receio de serem julgadas ou criticadas, e aí onde mora o perigo. É preciso acabar com os estigmas acerca da saúde mental, e trabalhar na prevenção para que problemas mais graves como ansiedade e depressão não surjam”, alertou.

De acordo com o médico, para proteger a mente e ter uma qualidade de vida, é preciso estar atento. “Dicas simples podem ser aplicadas no dia a dia, como a prática de atividades físicas, uma alimentação saudável, sono regular e realização de atividades que dão prazer e relaxamento. Além disso, devemos esclarecer mais a importância do acolhimento, da empatia, da solidariedade, e evitar o julgamento excessivo”.

“Cada caso deve ter o projeto terapêutico individualizado, com foco em orientar quais as adaptações saudáveis no estilo de vida, avaliar a necessidade do uso de medicações e trazer opções de práticas integrativas como meditação, yoga, acupuntura, entre outras disponíveis para o benefício da saúde”, finalizou.




Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas