Pular para o conteúdo principal

Gravidez, maternidade e amamentação em tempos de covid-19

 Que a Covid-19 trouxe bastante incerteza e preocupação, não restam dúvidas, mas o que muitas pessoas se questionam é sobre o desconhecido. Gestação, por exemplo, é um dos fatores que gera perguntas quando se trata da doença. A gestante que foi infectada pelo coronavírus pode perder o bebê? Apressar o parto? Pode amamentar? O bebê nasce imune? Essas são dúvidas frequentes de boa parte das mulheres grávidas durante a pandemia.

Enquanto os pesquisadores correm contra o tempo para que os estudos sejam cada vez mais eficazes, as pessoas seguem com as preocupações. Se tratando da nutrição, um tema recorrente nos consultórios foi o da amamentação. De acordo com a nutricionista materno-infantil Paula Brielle, estudos recentes apontam que o aleitamento materno não transmite a doença da mãe para o bebê.

“A literatura não observa transmissão via lactação, inclusive, as principais autoridades de saúde recomendam manter o aleitamento mesmo que a lactante teste positivo. Somente nos casos em que a mãe esteja muito debilitada ou em internação na UTI, é que se recomenda a utilização de fórmulas lácteas”, disse Paula.

A nutricionista afirma que a alimentação saudável é uma grande aliada para fortalecer a imunidade das gestantes. “Alguns nutrientes têm potencial para aumentar o sistema imunológico e, assim, prevenir que a Covid-19 se agrave caso a gestante seja contaminada”.





Esses nutrientes são:

-Magnésio e zinco: dois minerais encontrados nas castanhas e nos vegetais verde escuro, juntos regulam mais de 150 reações químicas no corpo, incluindo as de defesa.

-Ômega 3: suplemento alimentar importante para ação anti-inflamatória, o que pode, por exemplo, diminuir sintomas graves caso a gestante contraia a doença. Além desse benefício, o ômega 3 no terceiro trimestre auxilia na maturação do cérebro do bebê.

-Vitamina D: também chamada de hormônio D por alguns cientistas, pode ser encontrada por suplementação ou banho de sol. Esta vitamina regula, desde processos imunológicos, até o nosso metabolismo e ganho de peso. É importante em todas as fases da gestação, não só para melhorar a imunidade, mas para a saúde materno-fetal no geral.

-Proteínas: os anticorpos são proteínas, então, para produzir essas moléculas, é necessária uma boa ingestão de proteínas por dia. As de melhor qualidade são aquelas com baixo teor de gordura como carnes magras, peixes e ovos cozidos. Proteínas também são importantes para a gestação em si, uma vez que se faz necessária para a formação dos músculos e órgãos do bebê.

 

Atenção para os cuidados básicos

É importante lembrar que os cuidados em relação à Covid-19 para gestantes que estão amamentando devem ser os mesmos, ou seja: lavar bem as mãos antes ou em contato com o bebê e usar a máscara de proteção durante os cuidados com a criança e a amamentação.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio