Pular para o conteúdo principal

Fatores emocionais podem interferir na qualidade de vida e bem-estar das pessoas, alerta psicóloga

 Falar de saúde mental ainda é um tabu dentro da sociedade. A falta de conhecimento e informações sobre o assunto contribuem para o aumento de pessoas com doenças relacionadas ao estado mental, que refletem diretamente no estado físico, nas relações e na vida profissional.


A psicóloga Andrezza Matias explica que fatores emocionais podem interferir na qualidade de vida e bem-estar das pessoas. “Perturbações psíquicas podem afetar o funcionamento do corpo, desencadeando algumas doenças como: refluxo, gastrite, intestino irritável, dentre outras, causando complicações nos sistemas imunológico, endócrino e nervoso. Estresse e sobrecarga emocional podem gerar problemas no sono, alimentação e no gerenciamento das emoções causando um quadro psicossomático”, afirma a especialista credenciada ao Cartão Saúde São Gabriel.

Existem muitos fatores que influenciam para o adoecimento mental, um deles é o contexto moderno. Com o ritmo frenético, tudo muda mais rápido e isso tem exigido mais das pessoas, causando sobrecargas mentais, estresse, medos, problemas familiares e afetivos. Andrezza Matias orienta como identificar sintomas de que as coisas não vão bem psicologicamente. “Ter insônia constante ou sono em excesso, falta de ânimo e dificuldades em realizar tarefas do dia a dia, ansiedade persistente, causando perturbações comportamentais, e a falta de apetite ou compulsão alimentar são alguns indícios significativos de adoecimento psíquico”, alerta.




A psicóloga alerta que a melhor maneira de cuidar da saúde mental é a prevenção, por meio da prática constante do autoconhecimento e do autocuidado, sempre lembrando que mente e corpo andam lado a lado para que o indivíduo seja realmente saudável. “Alguns hábitos podem fazer diferença, como desenvolver suas habilidades emocionais, praticar o autocuidado, respeitar seus limites e realizar atividades que gerem prazer e satisfação. Além de manter cuidados básicos com o sono, alimentação, exercício físico, momentos de lazer e descontração e investir afetivamente na atenção com o emocional”, conclui Andrezza Matias, credenciada ao Cartão Saúde São Gabriel.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas