Pular para o conteúdo principal

“Evangélicos” pelo impeachment? - por Pr. Cláudio Godoy

 Amados, não acreditem em todo espírito, mas ponham-no à prova para ter a certeza de que o espírito vem de Deus, pois há muitos falsos profetas no mundo. 1 João 4:1


”Líderes religiosos protocolam na Câmara pedido de impeachment de Bolsonaro. Documento é assinado por 380 pessoas ligadas a igrejas cristãs, incluindo católicas, anglicanas, luteranas, presbiterianas, batistas e metodistas, além de 17 movimentos cristãos. Por Fernanda Calgaro e Elisa Clavery, G1 e TV Globo — Brasília 26/01/2021 O documento é assinado por 380 pessoas, entre as quais bispos, pastores, padres e frades, ligadas a igrejas cristãs, incluindo católicas, anglicanas, luteranas, presbiterianas, batistas e metodistas, além de 17 movimentos cristãos. “A motivação principal deste pedido está relacionada à ausência total de iniciativas da parte do governo para diminuir e conter os impactos da pandemia de Covid-19”, afirmou a pastora Romi Bencke, representante do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs.”


Já fui ateu socialista, mas me converti em março de 1987. Sou cristão evangélico protestante. Um conservador de viés ideológico de Direita. Já ouvi falar sobre esse tal “Conselho Nacional de Igrejas Cristãs”, um nome pomposo para uma instituição insignificante, sem nenhuma relevância junto à comunidade evangélica no Brasil. Simplesmente não tem peso político, como por exemplo o Conselho Nacional de Pastores e os Conselhos Estaduais de Pastores. Um efeito colateral da Reforma Protestante, foram igrejas evangélicas completamente heterogêneas. Não existe uma liderança centralizada. Igrejas históricas, hoje uma minoria, tradicionais, renovadas, pentecostais e neopentecostais. Como exemplo o termo, “igreja batista” foi tão banalizada e se tornou algo tão genérico, que hoje temos “igrejas batistas” históricas, tradicionais, renovadas, pentecostais e neopentecostais, uma bagunça. 


Hoje no Brasil, evangélicos são cerca de 33% da população, e dentro dessa comunidade a maioria esmagadora é de conservadores de viés ideológico de Direita, sim essa é a verdade. Em abril de 2018 eu participei da reunião do Conselho Estadual de Pastores de MG, quando o então pré-candidato Bolsonaro participou. Fiquei em posição estratégica que me permitiu ouvi o Bolsonaro e ao mesmo tempo observar a reação dos pastores. E posso afirmar que ali o apoio era praticamente total, e até hoje nada mudou, a maioria dos pastores apoia Bolsonaro, que não é um evangélico, mas sua afinidade com os evangélicos é grande. Bem todo rebanho tem suas ovelhas negras, ou no caso vermelhas. Existe sim um numero muito pequeno de evangélicos de Esquerda. Uma verdadeira incoerência filosófica, repudiada por Karl Marx e aplaudida por Antônio Gramsci.


O barulho midiático cria uma ilusão de ótica que não representa a verdade dos fatos. O leigo, o desaviado, pode imaginar que o tal “Conselho Nacional de Igrejas Cristãs”, fala, representa os evangélicos no Brasil e isso não é uma verdade. Porem nunca ouvi falar sobre a tal “pastora” Romi Bencke, citada na matéria, resolvi pesquisar. Encontrei um artigo escrito por ela: ”LAICIDADE E DIREITO AO ABORTO: Intersecções e conexões entre o debate feminista secular e feminismo religioso” por Romi Márcia Bencke. Outubro de 2019. “Bacharel em teologia e pastora”


Vinte paginas de uma bela porcaria, de leitura obrigatória, para quem quer aprender sobre a infiltração da Hegemonia Cultural Marxista dentro do meio cristão. Em um exercício de malabarismo de sofismas típicos de ministros do STF. No artigo ela elabora uma estratégia para: ”Laicidade e direito ao aborto”. Nas vinte páginas a palavra bíblia é sempre com b minúsculo, substantivo comum assim como igreja e a palavra Estado é sempre com E maiúsculo, pronome pessoal. Do inicio ao fim eu vi uma comunista defendo o aborto “seguro e legal”, criticando a oposição religiosa. Querendo uma “teologia feminina” para afirmar a laicidade do Estado? Tirou texto bíblico do contexto para servir de pretexto, defendeu uma fabula para ilustrar uma heresia. Se referiu a Deus, como um deus ciumento e vingativo. E ainda buscou inspiração em religião neopagã.


Criticou a bancada cristã no Congresso, e a suposta manipulação de Bolsonaro e sua equipe sobre símbolos religiosos cristãos. Reconheceu que Bolsonaro recebeu o apoio da base conservadora evangélica e que ele tem atendido a todas essas bases cristãs conservadoras que o apoiaram. Observou que os tentáculos religiosos se expandiram para além do executivo e legislativo, alcançando o judiciário, onde na Operação Lava Jatos, os principais promotores eram evangélicos. Eu não sabia, é verdade? Fico orgulhoso. Eu aconselho a leitura do artigo, ele é muito didático para mostrar o absurdo da infiltração satanista marxista no meio cristão. Vou me ater aqui apenas a defesa que essa “pastora” faz do aborto. Não vou entrar no mérito dos argumentos falaciosos que pedem o impeachment. Quero mostrar quem são os “evangélicos” que pedem o impeachment.


O mérito aqui é uma pessoa que se diz “pastora” falando em nome de uma organização, “Conselho Nacional de Igrejas Cristãs”, que não representa as igrejas evangélicas e o pensamento evangélico na sua maioria. Bem, o que dizer de uma pessoa que se diz cristã e defende o aborto? O que é o aborto? O que é e quando começa a vida humana? Um feto? Não é uma parte do corpo da mulher para ela decidir amputar. É do ponto de vista teológico um espirito que possui uma alma em um corpo biológico em desenvolvimento. É do ponto de vista pratico uma criança inocente e indefesa. O aborto é sempre a tortura seguida de morte de uma criança. É um sofisma o aborto legal para salvar a mãe e legalizar o assassinato da criança. Aborto é sempre o assassinato de uma criança. Não precisa ser cristão para deduzir que a ética e a moral cristã, condenam o aborto.




Como uma pessoa que se diz cristã, apresenta um diploma de bacharel em teologia, uma credencial de ordenação pastoral, pode defender o aborto? A OMS disse que em 2019 foram mortas 43 milhões de crianças por aborto, esse sim o verdadeiro genocídio. E essa falsa pastora faz parte do grupo que vem acusar o presidente de ser genocida? Ela não é cristã, não é pastora e ela e seu grupo não representam os evangélicos no Brasil. A verdade é que a maioria dos evangélicos no Brasil, não se deixa ser manipulada por um bombardeio midiático, de uma mídia de viés ideológico de Esquerda que tenta desqualificar o presidente. Esse grupo que se apresenta como representantes ligados a igrejas cristãs, além de 17 movimentos cristãos, não expressa o pensamento da maioria dos evangélicos no Brasil. É apenas um grupo de idiotas uteis do marxismo cultural.


Pr. Cláudio Godoy BH-MG

Comentários

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas