Pular para o conteúdo principal

De onde nos vem a certeza da centralidade absoluta de Jesus? - por E. César

 O que o mundo sabe sobre Jesus Cristo – sua concepção sobrenatural e seu nascimento, seus feitos e suas palavras, sua morte vicária e sua ressurreição, sua ascensão aos céus e sua volta em poder e muita glória — não foi escrito originalmente por qualquer pessoa. Além de inspirados especialmente por Deus (2Tm 3.16) e guiados especialmente pelo Espírito Santo (2Pe 1.21), os escritores do Novo Testamento foram testemunhas pessoais dos fatos que se deram, e de tudo aquilo que entrou dentro deles (pelos olhos e ouvidos). Pedro escreve em sua segunda carta:

“Nós não estávamos contando coisas inventadas quando anunciamos a vocês a vinda poderosa do nosso Senhor Jesus Cristo, pois com os nossos próprios olhos nós vimos a sua grandeza. Nós estávamos lá [no monte da transfiguração] quando Deus, o Pai, lhe deu honra e glória […]” (2Pe 1.16-17).




João fez a mesma declaração:

“Estamos escrevendo a vocês a respeito da Palavra da vida [Jesus Cristo], que existiu desde a criação do mundo. Nós a ouvimos e com os nossos próprios olhos a vimos. De fato, nós a vimos, e as nossas mãos tocaram nela. Quando essa vida apareceu, nós a vimos. É por isso que agora falamos dela e anunciamos a vocês a vida eterna que estava com o Pai e que nos foi revelada. Contamos a vocês o que vimos e ouvimos para que vocês estejam unidos conosco, assim como nós estamos unidos com o Pai e com Jesus Cristo, o seu Filho” (1Jo 1.1-3).

Paulo, por sua vez, explica que ele tem autoridade para dar sua opinião neste ou naquele assunto “como uma pessoa que, pela misericórdia, merece confiança” (1Co 7.25). Afinal, ele viu e ouviu pessoalmente o próprio Senhor Jesus, no dia da sua conversão (At 9.17; 22.14) e em outras ocasiões (At 18.9; 22.18; 23.11). Além do mais, catorze anos antes de escrever a segunda epístola aos Coríntios, talvez em 54 depois de Cristo, o apóstolo foi levado ao paraíso ou ao mais alto céu e “ouviu coisas que palavras humanas não conseguem contar” (2Co 12.4).

Outra coisa que alimentou a convicção dos apóstolos e dos primeiros discípulos quanto à centralidade de Jesus foi a descoberta de que era sobre ele que os profetas falavam, mesmo sem ter perfeita consciência do fato (1Pe 1.10-12).

Precisamos levar em conta ainda que o autor do terceiro Evangelho e do primeiro volume da história da igreja (Atos dos Apóstolos) era um historiador nato, um mestre em historiografia. Basta ler a apresentação do Evangelho que leva o seu nome:

“Tendo em vista que muitos já se empenharam em elaborar uma narrativa histórica sobre os eventos que se cumpriram entre nós, conforme nos transmitiram os que desde o princípio foram testemunhas oculares dos fatos e servos dedicados à Palavra, eu, pessoalmente, investiguei tudo em minúcias, a partir da origem e decidi escrever-te um relato ordenado, ó excelentíssimo Teófilo. E isso, para que tenhas plena certeza das verdades que a ti foram ministradas” (Lc 1.1-4, KJ).

(Segundo a Bíblia King James, Teófilo foi um militar de alta patente do exército romano que, convertido ao Senhor, patrocinou a pesquisa e a publicação do Evangelho de Lucas.)

Texto publicado originalmente na revista Ultimato 354.
Imagem: Anderson Góes

Fonte: Ultimato

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid