Pular para o conteúdo principal

Consumo exagerado de alimentos gordurosos está relacionado à intoxicação alimentar, alerta nutricionista

 Um dos primeiros passos para obter um corpo saudável é a reeducação alimentar. É comum haver alguns exageros na alimentação, principalmente durante as festas de fim de ano. O consumo exagerado de alimentos processados e gordurosos, podem ocasionar alguns problemas como intoxicação alimentar.


Vale ressaltar que nem sempre a intoxicação alimentar é causada por conta da ingestão de alimentos contaminados. Comer muito, principalmente pratos com muita gordura e açúcar, pode ser a causa do problema. “Após abusar de tantas comidas e bebidas alcoólicas ou gaseificadas, durante as festas, alguns sintomas de intoxicação podem ocorrer como a indisposição, azia, enjoo e outros”, explica a nutricionista Nara Andrade, credenciada ao Cartão saúde São Gabriel.

Para melhorar os sintomas da intoxicação, a nutricionista orienta para consumir alimentos com propriedades desintoxicantes. “Ingerir muita água, tomar chá feito com ervas dente de leão ou hibisco tem um papel bem positivo no fígado, ajudando no pós-ceia, pois auxilia na eliminação das substâncias tóxicas. Sucos que misturam frutas e vegetais como os sucos verdes, especialmente se for acrescido de couve, rúcula ou espinafre, também é muito recomendado, pois eles agem diretamente no fígado ajudando a eliminar as toxinas”, explica.

Outros alimentos como frutas e algumas carnes magras também ajudam na limpeza do organismo. “O consumo de frutas ricas em água como a melancia, o abacaxi, o melão e a maçã são essenciais, pois ajudam a hidratar o corpo que está desidratado. Optar também pelas carnes magras com menos gorduras como os peixes, o peito de frango e o peru é uma forma de poupar o organismo e o fígado que está trabalhando para eliminar as toxinas”, conclui a nutricionista que também atende em domicílio Nara Andrade.  

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio