Pular para o conteúdo principal

A Dança da Morte e o Triunfo do Amor - por Jénerson Alves

 

Sob a luz pálida de um pequeno escritório, o Velho Professor acessa sites de notícias. Seus olhos se detêm com a seguinte manchete:


En Argentine, explosion de joie après le vote légalisant le droit à l’avortement”


Atônito, ele lê que uma certa quantidade de pessoas se uniu para celebrar o assassínio intrauterino. Fumaça, gritos, júbilos em louvor à Morte, amásia do pecado. Suspira. Pensa: “Esta manchete deveria ser outra”. Mesmo sozinho, balbucia:


E, por se multiplicar a iniquidade, o Amor de muitos esfriará”


Ele lembra que, cerca de dois mil anos antes, Herodes, um megalomaníaco, mandou assassinar as crianças com menos de dois anos de idade, na tentativa de impedir a vida do Amor. Durante o degolo dos inocentes, “em Ramá se ouviu uma voz, lamentação, choro e grande pranto: Raquel chorando os seus filhos, e não querendo ser consolada, porque já não existem”.


Pior do que Herodes, a Morte celebra o desmancho da gestação – aquele processo de tecer a vida que o Rei Davi decantou como “especial e admirável” (Sl 139:14). Piores do que a Morte, muitos aplaudem o aguilhão da iniquidade, comungando de uma hóstia ensanguentada em uma missa negra com vestes políticas e discursos de justiça.


O Velho Professor dá um salto da cadeira. Desliga o computador, apaga a luz do escritório e, no escuro, recita uma estrofe de Augusto dos Anjos:


É a Morte – esta carnívora assanhada –
Serpente má de língua envenenada
Que tudo que acha no caminho, come…
– Faminta e atra mulher que, a 1 de Janeiro,
Sai para assassinar o mundo inteiro,
E o mundo inteiro não lhe mata a fome!”

Ainda atordoado com o que viu e leu, o Velho Professor se prepara para dormir. Como de costume, ajoelha-se à beira da cama para rezar. Fecha os olhos e, enquanto os lábios começam a recitar o Pai Nosso, reluz em seu coração a palavra que está escrita: “Absorpta est mors in victória” (Tragada foi a morte na vitória”). Aqueles que já viram o final da História bem sabem que, no fim, o Amor triunfará. Naquele Dia, ao invés da dança da morte, ver-se-á vida e alegria por todos os espaços do Infinito.


Jénerson Alves é jornalista e poeta.





O Triunfo da Morte, de Pieter Brugel


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas