Pular para o conteúdo principal

Lausanne III - dez anos depois. O Compromisso da Cidade do Cabo

 O documento O Compromisso da Cidade do Cabo é um dos legados do Terceiro Congresso de Evangelização Mundial (Lausanne 2010), realizado na Cidade do Cabo, África do Sul, há exatos 10 anos. Com um conteúdo rico, a declaração pode nos conduzir à essência da missão de Deus: o seu amor e a sua graça em favor da humanidade.



O Compromisso da Cidade do Cabo tem como subtítulo “uma declaração de fé e um chamado para agir”, mas poderia ter sido: “uma declaração de amor e um chamado para agir”. A palavra “amor” aparece cem vezes, além das 98 vezes em que o verbo “amar” é usado. O amor é colocado como a mola propulsora para a missão da igreja.

Uma grande comissão participou de sua redação, entre eles Rosalle Veloso Ewell e Chris Wright, sendo este o responsável por dar formato final ao documento.

Chris Wright é um dos autores do livro O Deus da Justiça e a Justiça de Deus, recém-lançado pela Editora Ultimato e Visão Mundial. Em seu capítulo, ele afirma que os maiores obstáculos à missão de Deus não são outras religiões, perseguição, culturas resistentes, que – de fato – representam grandes desafios. Mas o maior problema para Deus em sua missão redentora no mundo é o próprio povo de Deus, com seus ídolos – do poder e do orgulho, da popularidade e do sucesso, da riqueza e da ganância.

Rosalee foi a estreante da série de lives “Diálogos de Esperança”, com a edição "Onde está Deus nessa pandemia e como isso orienta os caminhos para a Igreja". Brasileira, ela é a diretora do Redcliffe College na Inglaterra.

Infelizmente o documento O Compromisso da Cidade do Cabo não teve o alcance que merece. Ele continua atual e relevante. Participar da live “Diálogos de Esperança” com Rosalee Veloso e Chris Wright, mediada por Valdir Steuernagel é uma oportunidade para se aprofundar nele.

O documento está disponível aqui ou pelo site de Lausanne. E pode e deve ser copiado, reproduzido, estudado e adaptado em sermões e estudos bíblicos. As igrejas, os seminários e as organizações evangélicas devem se apropriar desse material. 

Saiba mais
Diálogos de Esperança
Live da série: “Lausanne III – dez anos depois. O Compromisso da Cidade do Cabo”
Data: 15 de dezembro
Horário: 18 horas
No canal da Ultimato no YouTube
Iniciativa: Editora Ultimato, Aliança Cristã Evangélica, Tearfund e Visão Mundial

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas