Pular para o conteúdo principal

Dia da Bíblia – A palavra Bíblia não está na Bíblia

 “Ninguém pode explicar, por si mesmo, uma profecia das Escrituras Sagradas.” (2Pe 1.20)

Não se acha a palavra Bíblia na Bíblia. Ela não existia na época dos profetas e dos apóstolos. Para se referir aos livros inspirados do Antigo Testamento, dizia-se Escrituras Sagradas, expressão que aparece mais de cinquenta vezes no Novo Testamento.

Em nossas pregações, nossos escritos e nossos diálogos, repetidas vezes dizemos que tal coisa é assim porque “está escrito nas Escrituras Sagradas” ou porque “as Escrituras Sagradas dizem”. Para os cristãos de todos os tempos e de todos os lugares, as Escrituras Sagradas (ou a Bíblia) são ou deveriam ser a nossa única regra de fé e conduta.

A expressão Escrituras Sagradas pode ser encontrada na palavra falada (At 1.16) e na palavra escrita de Pedro (1Pe 2.6; 2Pe 1.20; 3.16).

Ao escrever o Evangelho que leva o seu nome, por cinco vezes seguidas João faz questão de relacionar os acontecimentos da morte e ressurreição de Jesus com as Escrituras Sagradas (Jo 19.24, 28, 26, 37 e 20.9).

Em suas cartas, várias vezes Paulo se refere às Escrituras Sagradas para justificar e apoiar o que escrevia. Por exemplo: “As Escrituras Sagradas afirmam que o mundo inteiro está dominado pelo pecado” (Gl 3.22).

Jesus fez uso da autoridade da Bíblia em sua resposta ao Diabo: “As Escrituras Sagradas afirmam: ‘Não ponha à prova o Senhor, seu Deus’” (Lc 4.12). Logo em seguida, para marcar o início do seu ministério, na sinagoga de Nazaré, Jesus “se levantou para ler as Escrituras Sagradas” (Lc 4.16).

Os atos e as cartas dos apóstolos completam as Escrituras Sagradas!

Trecho retirado de Refeições Diárias com os Discípulos. Editora Ultimato.

Fonte: Ultimato

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas