Pular para o conteúdo principal

Como missionários brasileiros celebram o Natal em outros países

É Natal! Em casa: pisca-piscas espalhados, bolas brilhantes suspensas, guirlanda na porta e a tradicional árvore de Natal decoram o espaço. Nas igrejas: preparam encenações, ensaiam corais e organizam celebrações especiais. Os artifícios são maneiras criativas para lembrar e comemorar uma das datas de maior significado para os cristãos: o Natal – “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Isaías 9.6).

Você já parou para pensar como missionários brasileiros que vivem outros países, numa cultura diferente, celebram o Natal? Aliás, sendo o Natal uma celebração de origem cristã, ele é celebrado em países cuja a maioria da população professa outra fé? Você sabia que há países em que a maioria da população nunca recebeu uma explicação sobre o significado do Natal? Como é a celebração natalina na Romênia e na Tailândia? Missionários brasileiros contam como é a celebração do nascimento de Jesus nestes dois países. Confira.




Família do missionário Jorge Carvalho, na Romênia

O país que possui as músicas natalinas mais bonitas¹

Em nosso primeiro ano na Romênia vivemos um dilema: como comemorar o Natal sem familiares ou amigos? Decidimos fazer uma festa para comemorar o aniversário de Jesus. Nunca vamos esquecer deste Natal! Foi o mais especial que tivemos pois resgatamos em família o verdadeiro sentido: Jesus, só Jesus!

A partir do segundo ano, ao fazer amigos, fomos expostos a como os romenos o celebram. Para começar, o Natal aqui é como nos filmes, com neve. Além disso, diferentemente do Brasil, a ceia não é servida na véspera, mas no almoço do dia 25. O prato principal é carne de porco, mas nunca pode faltar o sarmale (charuto de repolho, prato mais tradicional da culinária romena). A árvore de Natal é um pinheiro de verdade, que é vendido nas ruas e nas feirinhas de Natal, um conjunto de cabanas de madeira dispostas em círculo, onde se vende de tudo, de enfeites natalinos até o habitual vinho fervido que, servido com laranja e canela, é ótimo para se aquecer.

Outra forte tradição por aqui são as músicas natalinas (colinde de craciun). Em todo mundo existem músicas de Natal, mas em nenhum outro lugar elas são tão bonitas como na Romênia. É normal ver grupos cantando de porta em porta na semana natalina.

Apesar de o Natal ser celebrado de forma tão rica na Romênia, a Páscoa é ainda mais forte. O motivo? Descobri no primeiro ano, quando, em processo de adaptação, resolvi perguntar a um taxista. A resposta dele foi surpreendente: “É simples: todo mundo nasceu, mas só um ressuscitou!”




Celebração natalina na Tailândia


O Natal no país em que ninguém sabia o que era o Natal²

Na Tailândia, durante o Natal, os estudantes vão à escola, o caminhão passa coletando lixo, o farmacêutico trabalha, as agências bancárias ficam abertas e os monges budistas saem às ruas coletando os méritos. Na verdade, não há Natal na Tailândia. É uma data sem significado algum. Para muitos tailandeses, o Natal é a festa do Ano Novo comemorado pelos ocidentais.

Em meio a esta realidade, os cristãos (0,6% da população), aproveitam o mês de dezembro para fazer eventos evangelísticos. É uma oportunidade para explicar para as pessoas que o Papai Noel não é um deus que protege as pessoas dos espíritos e que o trenó dele não leva ninguém para o céu. É uma oportunidade de presentear amigos com uma camiseta com uma mensagem de vida e esperança.

Para os cristãos, dezembro se torna o mês com mais programações. As igrejas procuram oportunidades para ir às escolas, universidades e comunidades para compartilhar sobre a importância do nascimento de Jesus, o nascimento do salvador do mundo! Fazemos festas, sorteio de presentes, show de música, teatro, serenata, distribuímos folhetos, gibis, livros de atividades. Tudo para explicar o que aconteceu há aproximadamente dois mil anos e dizer que celebramos o aniversário de uma pessoa que está viva.

Foi numa dessas atividades evangelísticas, numa escola, que perguntamos para os alunos budistas o que era celebrado dia 25 de dezembro e ninguém soube responder. É por isso que procuramos não perder nenhuma oportunidade durante esse período do ano.

Assim, por meio da amizade que desenvolvemos no dia a dia e aproveitando as atividades desse período testemunhamos Jesus nascendo no conhecimento e no coração das pessoas. Os projetos evangelísticos de Natal têm dado muitos frutos entre os budistas e religiosos da Tailândia. Há casos de pessoas que tem se convertido nessas ocasiões e hoje estão conduzindo outros a Cristo. Quando Jesus nasce na vida de budistas, a celebração do nascimento de Jesus se torna um marco a ser compartilhado cada vez com mais força e criatividade.

Notas: Texto produzido pela assessoria da Sepal.

¹Colaboração de Jorge Carvalho, missionário da Sepal em Bucareste, Romênia. Casado com Virgínia e pai de Elisa e Filipe. A família está no campo missionário desde junho de 2010.

²Colaboração de Adriano e Fabiana, pais de Davi e Lucas, missionários da SEPAL e OMF no Reino da Tailândia desde 2001.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas