Pular para o conteúdo principal

A história do 'mais relutante dos convertidos' deve chegar às telas em 2021

 Filme sobre a vida de C. S. Lewis, baseado em peça teatral da Fellowship for Performing Arts, contará a jornada do famoso autor inglês do ateísmo para o cristianismo.

 
A produtora sem fins lucrativos Fellowship for Performing Arts (FPA), com sede em Nova York, lançará a adaptação cinematográfica de sua peça “C.S. Lewis: The Most Reluctant Convert”, no primeiro semestre de 2021. A FPA foi fundada pelo ator Max McLean e tem como objetivo “produzir teatro a partir de uma cosmovisão cristã para envolver um público diversificado”.
 
O filme é baseado no monólogo teatral de McLean, que conta a jornada do autor inglês do ateísmo ao cristianismo. “Pela primeira vez, a FPA está produzindo um filme baseado em uma de nossas criações teatrais de maior sucesso”, diz McLean.
 
“Somos bem firmes em nosso compromisso de fazer teatro, mas os teatros estão fechados desde março e dificilmente abrirão este ano. A oportunidade de produzir este filme agora, algo que havia sido projetado para 2022 ou 2023, foi um presente que nos inspirou a atuar ”, destaca.
 
De um monólogo para um filme com vários atores
As filmagens começaram na Inglaterra em 21 de setembro e terminaram em outubro, sob a direção de Norman Stone, duas vezes vencedor do Prêmio BAFTA. “A diferença neste filme estará na locação, que será por toda a Oxford. Tivemos acesso total ao Magdalen College, aos The Kilns, à igreja e a vários outros lugares mencionados na peça”, explica McLean. Além disso, “em vez de ser um espetáculo "de um homem só", será um espetáculo com vários atores. Três atores retratam Lewis em três fases da vida; vou interpretar o Lewis mais velho ”, acrescenta.
 
“Esperamos alcançar milhares em todo o mundo”
McLean sublinha que “a versão cinematográfica de "The Most Reluctant Convert" é uma re-imaginação e uma expansão vívida de nossa peça teatral. Os vários atores e locais ajudam a visualizar os principais eventos por trás da transformação de Lewis, de ateu em cristão convicto”. “Nossa esperança é que, ao fazer este filme, possamos expandir nosso alcance das dezenas de milhares de pessoas que alcançamos através de nossas produções teatrais, para o potencial de atingir centenas de milhares, talvez até milhões, em todo o mundo”, conclui.
 
Publicado originalmente no site Evangelical Focus. Reproduzido com permissão.
 
Traduzido por Reinaldo Percinoto Jr.

Fonte: Ultimato

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas