Pular para o conteúdo principal

Nutrição e Saúde | Como diminuir a vontade excessiva de comer? - por Jailson Cavalcante

Para diminuir a fome é importante evitar pular refeições, aumentar o consumo de alimentos ricos em fibra e beber bastante água. Além da alimentação, ter uma noite de sono tranquila também é importante para a produção de hormônios, essenciais para o bom funcionamento do organismo, evitando a ansiedade e a necessidade de se alimentar a cada momento.

Veja algumas dicas para que você consiga controlar essa vontade de comer.



1. Se alimentar a cada 3h

Comer a cada 3 horas evita a fome, pois o corpo está sempre saciado, além de ajudar a reduzir a quantidade de alimentos a serem ingeridos nas refeições seguintes. Por isso, deve-se comer pequenas refeições a cada 3 a 4 horas, escolhendo sempre alimentos ricos em fibra, um exemplo frutas com casca. Isso também ajuda em casos de compulsividade alimentar, pois no lugar de ingerir coisas gordurosas ou processadas, é melhor optar por alimentos saudáveis que o deixe saciado.


2. Consumir muitas fibras

As fibras estão presentes principalmente em frutas, vegetais e alimentos integrais. Elas fazem com que o estômago fique mais cheio, e prolongam a sensação de saciedade após as refeições. Estratégias para aumentar o consumo de fibras são comprar alimentos integrais, sementes como chia e linhaça para colocar em sucos ou iogurtes, ocupar pelo menos metade do prato com salada, especialmente saladas cruas, e comer no mínimo 3 frutas por dia.


3. Comer antes de dormir

Comer um pequeno lanche antes de dormir, pode ajudar a prevenir a fome durante a noite. Uma boa dica para comer antes de dormir é o chá de camomila ou erva-cidreira, já que o chá acalma e prepara o corpo para o sono, outras opções de lanches podem ser uma xícara de gelatina sem açúcar, iogurte natural ou um ovo mexido, por exemplo.


4. Investir nas gorduras boas

Muitas pessoas, ao fazerem dieta, restringem muito o consumo de gordura, o que costuma aumentar a sensação de fome. Porém, é possível incluir na alimentação diária as gorduras "boas", que podem ser encontradas em peixes como salmão, truta e atum, em azeite ou óleo de linhaça, em frutas como abacate e coco, e em amendoim, nozes e amêndoas, por exemplo, lembrando sempre para o consumo em pequenas quantidades.

Esses alimentos fornecem mais energia ao organismo, prevenindo doenças cardiovasculares e melhorando a memória.


5. Beber água

Deve-se ingerir bastante água porque os sinais de desidratação do corpo são semelhantes aos sinais de fome. Assim, aumentar o consumo de água, chás ou sucos sem açúcar ajuda a evitar a sensação de fome, além de melhorar o funcionamento do corpo e a saúde da pele.


6. Dormir bem

É durante o sono que o corpo elimina toxinas e produz hormônios essenciais para o equilíbrio do corpo. Sem dormir, seu organismo vai acabar precisando de mais comida para produzir energia e suprir a necessidade de ficar alerta, por isso é comum que pessoas que sofrem com insônia levantem no meio da noite para comer.

Essas são algumas dicas para que você comece a colocar em prática, mas para um melhor resultado é sempre bom ser acompanhado por um nutricionista para que se avalie sua condição de forma individualizada e que seja elaborado de um plano alimentar adequado as suas necessidades diárias.




Jailson Cavalcante é nutricionista

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup