Pular para o conteúdo principal

Nutrição e Saúde | Você sabia que a alimentação influencia na qualidade do seu sono? - por Jailson Cavalcante

 A insônia é um problema de saúde que afeta muitas pessoas e que pode ser influenciada pela alimentação, já que existem alguns alimentos que são estimulantes e que favorecem esta condição, como é o caso da pimenta e da cafeína, por exemplo.


Além disso, existem outros alimentos que ajudam a combater a insônia, como é o caso dos frutos secos, que são uma boa fonte de melatonina, um hormônio que é produzido no organismo e que é responsável pela melhora da qualidade do sono. Estes alimentos devem ser incluídos na dieta e ingeridos diariamente para que faça parte do tratamento para dormir.




Os principais alimentos que ajudam a combater a insônia são os que contém:


1. Triptofano:


O triptofano favorece a produção de melatonina no organismo, que além de regular o sono é antioxidante, possui efeitos neuroprotetores, efeitos anti-inflamatórios, melhora o sistema imune, entre outros. Além disso, ajuda a produzir a serotonina, induzindo à calma e sonolência.

Os alimentos ricos em triptofano são o peru, leite, carne, aveia, salmão, tomate, queijo branco, kiwi, nozes, amêndoas, leite de arroz e mel.


2. Magnésio:


O magnésio pode ajudar a melhorar a qualidade do sono, já que diminui os níveis de cortisol, hormônio relacionado ao estresse e que desfavorece o sono. Além disso, aumenta a GABA, um neurotransmissor que promove o relaxamento e o sono.

Os alimentos ricos nesse mineral são alho, banana, nozes, amêndoas, ameixa seca, pão, feijão e arroz integral, salmão e espinafre.


3. Ômega-3 e Vitamina D:


Os alimentos ricos em ômega-3 e vitamina D são fundamentais para a produção de serotonina, um químico cerebral que melhora o sono. Os alimentos ricos em vitamina D são azeite de fígado de bacalhau, salmão, leite, ovo, carnes, sardinha e manteiga.

Os alimentos ricos em ômega-3 são azeite de linhaça, salmão, sardinha, sementes de linhaça e de chia, atum, arenque e nozes.


4. Cálcio:

A falta de cálcio no organismo pode estar relacionada com à insônia, já que é um mineral essencial para garantir a produção de serotonina. Por isso, é recomendado aumentar a ingestão de alimentos ricos em cálcio, como iogurte natural e leite, especialmente antes de deitar. Uma dica é beber 1 copo de leite quente antes de dormir.

As pessoas que sofrem de insônia devem evitar os alimentos que estimulam o sistema nervoso central, já que poderia dificultar o sono, sendo eles: café, bebidas energéticas, refrigerantes, chá preto, chá mate, chá verde, gengibre, pimenta, chocolate e açaí.

Estes alimentos devem ser evitados a partir das 16 horas, pois assim o cérebro tem mais tempo para receber os impulsos elétricos necessários para regular o sono e, assim, garantir uma boa noite de sono.

Além disso, é importante evitar alimentos fritos, com muita gordura, açúcares refinados ou muito volume de comida perto da hora de dormir, pois pode causar indigestão e afetar o sono.


Como deve ser a alimentação?


É importante que seja incluído na dieta diária os alimentos permitidos, evitando os estimulantes no final da tarde e durante a noite. Além disso, também deve-se evitar jantar muito perto da hora de dormir e não assistir televisão enquanto come, inclusive pode ser interessante tomar uma sopa quente durante o jantar para estimular o sono.

Também é importante manter horários regulares tanto em relação às refeições como também na hora de deitar e acordar. Também é possível antes de dormir, beber um chá de maçã, já que possui propriedades que ajudam a acalmar, promover o sono e reduzir a insônia, graças ao fato de conter apigenina, um antioxidante que atua nos receptores do sono no cérebro.

Estas informações são importantes, contudo, cada organismo é único, e merece uma atenção especial, portanto, procure sempre uma alimentação balanceada de forma individualizada, passada por um profissional da área de nutrição que possa o(a) acompanhar e orientar em como deve-se proceder no seu caso de problemas com insônia. Juntamente com uma equipe médica multidisciplinar.




Jailson Cavalcante é nutricionista

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio