Pular para o conteúdo principal

Nutrição e Saúde | Comer batata-doce engorda ou emagrece? - por Jailson Cavalcante

 


A batata-doce é muito consumida por frequentadores de academias e praticantes de atividade física devido ao fornecimento de energia ao organismo, já que a sua fonte principal de nutriente é o carboidrato.

No entanto, a batata-doce por si só não engorda ou emagrece. Isso irá depender da dieta como um todo e do nível de atividade física praticada. Para emagrecer, é preciso existir o balanço energético negativo, ou seja, gastar mais calorias do que se consumiu. Já para engordar ou ganhar massa muscular é preciso ingerir mais calorias do que gastar.

Assim como todos os alimentos, a batata-doce deve ser consumida com moderação, de acordo com os objetivos e necessidades individuais de energia e nutrientes. Para isso, é importante buscar um nutricionista para criar um plano alimentar que ajude a alcançar os resultados de modo mais eficiente.


Como usar a batata doce para emagrecer?


É rica em fibras, que aumentam a sensação de saciedade e por isso também pode ser usada para quem quer emagrecer. Para isso, a batata-doce deve ser consumida com a casca, pois é a parte do alimento mais rica em fibras.

Outra opção é incluir a batata-doce na refeição junto a outros alimentos ricos em fibras, como os vegetais e as frutas, pois isso aumenta o volume da refeição e diminui a ingestão de calorias, sendo uma boa estratégia para quem quer emagrecer.

Além disso, o modo de preparo da batata é fundamental, pois influencia diretamente na quantidade de calorias. Assim, preparar a batata-doce cozida ou assada irá promover benefícios maiores no emagrecimento do que a batata doce frita, uma vez que os óleos usados para a fritura são altamente calóricos. Uma boa dica é cozinhá-la no vapor, pois assim também não irá perder os nutrientes na água do cozimento.

De modo geral, não existe uma quantidade padrão de batata-doce que deve ser consumida para emagrecer, pois isso varia de pessoa para pessoa e de acordo o nível de atividade física, do peso e altura, além do objetivo particular do indivíduo e de toda a composição do plano alimentar.

Em suma, a batata-doce nem engorda, nem emagrece. O segredo é não exagerar nas quantidades só por ter visto na internet que o pessoal que malha só come batata-doce e frango. Sua individualidade deve ser respeitada em todos os aspectos da sua alimentação. E esse respeito tem que começar pela sua própria consciência. E se você acha que ela emagrece, a informação acima também é válida. Pois não se trata apenas de comer batata-doce. Mas comê-la em uma dieta balanceada e específica para você.



Jailson Cavalcante é nutricionista

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup