Pular para o conteúdo principal

Artigo | Quanto vale seu voto? - por Oscar Mariano

 Estamos no tempo de muitas promessas, tempo de política, mas principalmente no tempo dos vendedores de votos. Vendedores que por uma garoupa ou um lobo-guará, trocam a possibilidade de ter um calçamento em sua rua, um saneamento básico ou uma saúde mais digna. Alguns o fazem por necessidade, mas outros por pura ignorância ou egoísmo.


O voto é primordial para que sejamos um país, estado, cidade com uma melhor democracia, onde a população possa confiar nos seus representantes e receber tudo aquilo que precisa para uma vida de qualidade.

Pode ser utópico, mas a população deveria escolher como critério para que o voto fosse consciente, analisar as propostas de cada candidato e não se vender por uma cédula de real. Deveria votar naquele nome que se pudesse ter orgulho em indicar aos seus conhecidos, por se tratar de um candidato ético, competente e com propostas de altíssima qualidade.


Mas o que vemos, e que é muito comum, são pessoas transformarem seu voto em mercadoria, trocando-o por benefícios individuais e pouco éticos, muitas vezes até ilegais. Quem nunca escutou de alguém que trocou o voto por cesta básica, gasolina, materiais de construção… A compra e venda de votos costuma ter sua importância minimizada, uma prática às vezes até já naturalizada em determinados locais. O seu voto não é uma mercadoria, fazendo isso, você estará ajudando a eleger alguém que usou de métodos imorais e ilegais para chegar ao poder. 





E o pior, você ao colaborar com esse tipo de prática, está abrindo mão do seu papel de cidadão e permitindo que um governante corrupto tome decisões que influenciarão sua vida e a de todos os outros cidadãos. E não é só o representante que se elege de forma corrupta, ao vender seu voto, você se torna uma pessoa corrupta também.


Vamos analisar duas situações: entre ganhar um tanque de gasolina agora e um novo hospital na sua cidade daqui a quatro anos, o que você escolheria? Entre uma cesta básica agora e maiores investimentos em educação nos próximos anos, qual opção você prefere? Nos dois casos, ao escolher a primeira opção, você não terá como cobrar a segunda opção, pois elegendo uma pessoa corrupta deixará de eleger alguém comprometido com o bom funcionamento dos serviços públicos. Mas se você não quer que uma pessoa corrupta tenha o poder de decidir seu destino durante quatro anos, não venda seu voto!


Oscar Mariano

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.