Pular para o conteúdo principal

Artigo | Quanto vale seu voto? - por Oscar Mariano

 Estamos no tempo de muitas promessas, tempo de política, mas principalmente no tempo dos vendedores de votos. Vendedores que por uma garoupa ou um lobo-guará, trocam a possibilidade de ter um calçamento em sua rua, um saneamento básico ou uma saúde mais digna. Alguns o fazem por necessidade, mas outros por pura ignorância ou egoísmo.


O voto é primordial para que sejamos um país, estado, cidade com uma melhor democracia, onde a população possa confiar nos seus representantes e receber tudo aquilo que precisa para uma vida de qualidade.

Pode ser utópico, mas a população deveria escolher como critério para que o voto fosse consciente, analisar as propostas de cada candidato e não se vender por uma cédula de real. Deveria votar naquele nome que se pudesse ter orgulho em indicar aos seus conhecidos, por se tratar de um candidato ético, competente e com propostas de altíssima qualidade.


Mas o que vemos, e que é muito comum, são pessoas transformarem seu voto em mercadoria, trocando-o por benefícios individuais e pouco éticos, muitas vezes até ilegais. Quem nunca escutou de alguém que trocou o voto por cesta básica, gasolina, materiais de construção… A compra e venda de votos costuma ter sua importância minimizada, uma prática às vezes até já naturalizada em determinados locais. O seu voto não é uma mercadoria, fazendo isso, você estará ajudando a eleger alguém que usou de métodos imorais e ilegais para chegar ao poder. 





E o pior, você ao colaborar com esse tipo de prática, está abrindo mão do seu papel de cidadão e permitindo que um governante corrupto tome decisões que influenciarão sua vida e a de todos os outros cidadãos. E não é só o representante que se elege de forma corrupta, ao vender seu voto, você se torna uma pessoa corrupta também.


Vamos analisar duas situações: entre ganhar um tanque de gasolina agora e um novo hospital na sua cidade daqui a quatro anos, o que você escolheria? Entre uma cesta básica agora e maiores investimentos em educação nos próximos anos, qual opção você prefere? Nos dois casos, ao escolher a primeira opção, você não terá como cobrar a segunda opção, pois elegendo uma pessoa corrupta deixará de eleger alguém comprometido com o bom funcionamento dos serviços públicos. Mas se você não quer que uma pessoa corrupta tenha o poder de decidir seu destino durante quatro anos, não venda seu voto!


Oscar Mariano

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup