Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Para que os eufemismos? - por Amanda Rocha


Garota Preocupada, Mulher, À Espera, Sessão, Pensamento

O barulho da ventania ecoava pela casa; as janelas tremulavam promovendo um sentimento de maior temor; os galhos das árvores da vizinhança sacudiam-se, os sons ecoavam em sua mente. As roupas olvidadas no varal encharcaram-se e os animais domésticos se aquietaram. Sentia que sua vida seria abreviada, temia. Temia por muitas coisas. Outro som chamara sua atenção: sua filha cantava uma pequena música já deitada em sua própria cama. A pequena expressava num ritmo aconchegante a sua fé, a mesma apreendida com seus pais e avós. As janelas pareciam que não seriam contidas por aqueles pequenos ferrolhos. Temia. Temia para além do som da chuva, do trovão, e as luzes dos relâmpagos que adentravam as fendas de algumas partes da casa. Seria ilusão ou de fato seu coração estava em batimentos descompassados? Sentia o mesmo há muitos dias. Seriam provocados meramente pelo terror do isolamento forçado; teriam as circunstâncias sociais e pandêmicas provocado tal temor, ou os conflitos pessoais, sobretudo os financeiros, que a intimidavam? Um carro ao longe tinha seu alarme acionado e a fez lembrar que também temia a invasão de criminosos. Lembrava-se das despesas e promissórias, da feira, e das roupas e chinelos para as crianças. Sua conta bancária não conseguiria arcar com todas as cobranças. Vagava em pensamentos quando fora arrebatada pelos sons de passos na casa: seus filhos mudavam de cômodo também temerosos e em busca de abrigo. Ela era-lhes o abrigo. Abençoou-os e beijou-os. Não poderia morrer. Não posso morrer! Pensou abraçando cada criança. Para que usar eufemismos nessa hora? Deixe-os para as criancinhas, mas quisera não precisar usá-los. Por um instante tudo se fez silêncio. Nem os galhos, nem as janelas, nem os sons infantis, nem o som do alarme do carro. Seu coração bailou um rock, uma valsa e descansou.


Amanda Rocha é professora e escritora

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup