Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Para que os eufemismos? - por Amanda Rocha


Garota Preocupada, Mulher, À Espera, Sessão, Pensamento

O barulho da ventania ecoava pela casa; as janelas tremulavam promovendo um sentimento de maior temor; os galhos das árvores da vizinhança sacudiam-se, os sons ecoavam em sua mente. As roupas olvidadas no varal encharcaram-se e os animais domésticos se aquietaram. Sentia que sua vida seria abreviada, temia. Temia por muitas coisas. Outro som chamara sua atenção: sua filha cantava uma pequena música já deitada em sua própria cama. A pequena expressava num ritmo aconchegante a sua fé, a mesma apreendida com seus pais e avós. As janelas pareciam que não seriam contidas por aqueles pequenos ferrolhos. Temia. Temia para além do som da chuva, do trovão, e as luzes dos relâmpagos que adentravam as fendas de algumas partes da casa. Seria ilusão ou de fato seu coração estava em batimentos descompassados? Sentia o mesmo há muitos dias. Seriam provocados meramente pelo terror do isolamento forçado; teriam as circunstâncias sociais e pandêmicas provocado tal temor, ou os conflitos pessoais, sobretudo os financeiros, que a intimidavam? Um carro ao longe tinha seu alarme acionado e a fez lembrar que também temia a invasão de criminosos. Lembrava-se das despesas e promissórias, da feira, e das roupas e chinelos para as crianças. Sua conta bancária não conseguiria arcar com todas as cobranças. Vagava em pensamentos quando fora arrebatada pelos sons de passos na casa: seus filhos mudavam de cômodo também temerosos e em busca de abrigo. Ela era-lhes o abrigo. Abençoou-os e beijou-os. Não poderia morrer. Não posso morrer! Pensou abraçando cada criança. Para que usar eufemismos nessa hora? Deixe-os para as criancinhas, mas quisera não precisar usá-los. Por um instante tudo se fez silêncio. Nem os galhos, nem as janelas, nem os sons infantis, nem o som do alarme do carro. Seu coração bailou um rock, uma valsa e descansou.


Amanda Rocha é professora e escritora

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid