Pular para o conteúdo principal

Nutrição e Saúde - Alimentos transgênicos: o que são e como identificá-los, por Jailson Cavalcante

 Os alimentos transgênicos, também conhecidos por alimentos geneticamente modificados, são aqueles que possuem fragmentos de DNA de outros organismos vivos misturados com o seu próprio DNA. Por exemplo, algumas plantas contêm DNA de bactérias ou fungos que produzem herbicidas naturais, fazendo com que sejam automaticamente protegidas contra pragas da lavoura.

 


A modificação genética de certos alimentos, é feita com o objetivo de melhorar a sua resistência, qualidade e quantidade produzida, porém, pode apresentar riscos para a saúde, como aumentar a ocorrência de alergias e a ingestão de agrotóxicos por exemplo. Por esta razão, o ideal é optar o máximo possível por alimentos orgânicos.


Os principais alimentos transgênicos vendidos no Brasil são a soja, o milho e o algodão, que dão origem a produtos como os óleos de cozinha, extrato de soja, proteína texturizada de soja, leite de soja, salsicha, margarina, massas, bolachas e cereais. Qualquer alimento que contenha ingredientes como amido de milho, xarope de milho e soja na composição, provavelmente terá transgênicos na sua composição.

De acordo com a legislação brasileira, o rótulo dos alimentos com pelo menos 1% de componentes transgênicos deve conter o símbolo de identificação de transgênicos, representado com um triângulo amarelo com a letra T em preto no meio.

O consumo de alimentos transgênicos pode trazer os seguintes riscos para a saúde:

  • Aumento de alergias, devido à novas proteínas que podem ser produzidas pelos transgênicos;

  • Aumento da resistência a antibióticos, o que contribui para a redução da eficácia desses medicamentos no tratamento de infecções bacterianas;

  • Aumento de substâncias tóxicas, que podem acabar fazendo mal ao homem, a insetos e às plantas;

  • Maior quantidade de agrotóxicos nos produtos, pois os transgênicos são mais resistente aos agrotóxicos, permitindo que os produtores utilizem maiores quantidades para proteger a plantação de pragas e ervas daninhas.

Para evitar esses riscos, a melhor saída é consumir alimentos orgânicos, o que também estimula o aumento da oferta dessa linha de produtos e apoia os pequenos produtores que não utilizam transgênicos e agrotóxicos nas plantações.


Jailson Cavalcante é nutricionista




Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup