Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | A hora do faz-de-conta - por Davi Geffson

 Ano eleitoral, o momento propício para as mais mirabolantes promessas, quanto aos que já estão no poder, a satisfação de mostrar o que foi feito em “benefício do povo”. Do povo? Será? Fazer pelo povo pensando em uma aprovação para uma reeleição seria fazer pela população ou pelo próprio bem?


Oportunismo, é essa a palavra correta. Vivemos em uma sociedade fadada com as práticas governamentais, gestores públicos tentam sua permanência no poder, não visando garantir estabilidade para a população, mas com pensamentos egocêntricos em que fomentam suas próprias regalias.


Todo período pré-eleitoral é a hora do faz de conta, é um buraco tapado ali, um esgoto estourado aqui, uma inauguração ali e a enfim conclusão de obras que se arrastam durante toda a gestão, afinal, o que se inaugura distante das eleições o povo esquece, e está em evidência na mente das pessoas é a garantia de que a mamata não vai acabar.


Contudo, somos nós os responsáveis pelos avanços e retrocessos do nosso meio social, afinal, quem está no poder só permanece mediante ao nosso voto. Sejamos sensatos, honremos nosso direito de escolha, lembrando sempre que, quem age com desonestidade na hora de decidir seu voto, não pode exigir um político honesto em seu cargo. O gestor é reflexo de quem o elege.



É no ano de eleição

A hora do faz de conta,

Mas fora disso o gestor

Pinta, borda, logo, apronta,

E depois pra se sair

Vai dizendo que é afronta.



Pense nisso!



Davi Geffson é mercadólogo, professor e presidente da Academia Caruaruense de Literatura de Cordel





Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio