Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | O que vai acontecer nos próximos dez anos? - por Jorge Xavier

Na semana passada Jeff Bezos CEO da Amazon em comunicado aos seus acionistas e mais de 800 mil colaboradores espalhados pelo mundo disse:

"Bem, certamente em 10 anos muitas coisas evoluirão, a tecnologia mudará. Machine learning. A tecnologia, em particular, evoluirá de maneira muito significativa no horizonte de dez anos. Mas eu sempre incentivo as pessoas, quando pensam em 10 anos, a fazer a pergunta: o que não vai mudar?"


Como Jeff Bezos, CEO da Amazon, toma suas decisões



Essa é realmente a pergunta mais importante. Você pode criar estratégias em torno de coisas que serão estáveis ​​no tempo. Nessa visão de 10 anos, há muitas coisas na Amazon que não vão mudar. Uma delas, talvez a mais importante, é que permaneceremos obcecados pelo cliente em vez de obcecados pelo concorrente. Vamos trabalhar para manter essa cultura.

Somos pacientes, por isso estamos dispostos a reservar um tempo para fazer as coisas. Nós somos inventivos. É muito importante manter isso no horizonte de 10 anos. Quando você se encontra entre uma pedra e um lugar difícil, a saída é inventar a saída. Essa equipe é muito inventiva.

Estamos dispostos a falhar. E essa vontade de falhar não vai mudar daqui a 10 anos. O tamanho do nosso fracasso deve continuar aumentando à medida que continuamos a fazer coisas ousadas. Mas o centro de tudo isso, o que puxa tudo isso junto é ser obcecado pelo cliente. E isso é realmente protetor da nossa cultura – mesmo em um horizonte de 10 anos. Se você é obcecado por concorrentes e se considera um líder em alguma arena, é muito fácil perder sua motivação. Você já está à frente, por que você deve correr? Se você é obcecado pelo cliente, se essa é a sua motivação, é muito sustentável.

Mesmo como líder, seus clientes estão sempre insatisfeitos. Eles sempre querem algo melhor.
E, portanto, é muito motivador ao longo da jornada. Então, você sabe, continuaremos trabalhando para conseguir as pessoas certas. Pessoas que gostam dessa abordagem. Pessoas motivadas pela obsessão do cliente. Pessoas que gostam de inventar. Eles têm mente de iniciantes, mesmo que sejam especialistas.

Essas são as coisas que permanecerão as mesmas por mais de 10 anos. Se conseguirmos manter essa cultura, essa obsessão do cliente, a visão de 10 anos se enquadrará com o tempo.

Então se o seu foco é o cliente (pessoas), continue siga em frente, traçando estratégias, sempre buscando melhorar as formas de se relacionar com pessoas.


Jorge Xavier é estudante de Gestão Comercial

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio