Pular para o conteúdo principal

O caos suscita criatividade - por Carlos Bregantim

Não importa o momento, se não começar o que preciso começar, nunca chegarei ao objetivo que desejo.

Procrastinar e criar obstáculos internos é uma tendência comum contra as quais preciso lutar todos os dias.

Alegro-me quando olho pra trás e lembro que comecei projetos em meio ao caos e eles salvaram minha vida e continuam me salvando.

Nestes tempos tão difíceis iniciei daqui, em distanciamento social, alguns projetos pessoais que estão me dando muita alegria e ótimos resultados.

Arrependo-me de ter procrastinado e criado alguns obstáculos quanto a alguns outros projetos que poderiam ter sido deflagrados.

Uma coisa tenho aprendido, se quero algo que só depende de mim, preciso vencer a mim mesmo, minhas paralisias e dar o primeiro passo.

Aqui, lembrando dos meu treinadores nas corridas de rua quando me encorajavam dizendo, "Não se preocupe com a linha de chegada, dê mais um passo", assim completei 12 São Silvestres e outras deliciosas corridas e, todas depois dos 46 anos. 

Perdoem-me a auto citação, mas, quem dera não tivesse procrastinado e criado obstáculos em tantos outros sonhos.

Imagino que se tivesse começado alguns projetos já os teria terminado.

O tempo é senhor e ao mesmo tempo está a dispor de quem o usa bem.

Aqui, agora, orando por mim e por todos que se veem, paralisados, procrastinando, criando obstáculos internos e, não poucas vezes reféns dos que estão no seu entorno imediato que não os encorajam, antes, criam impedimentos emocionais que geram paralisias.

O caos é dos melhores ambientes pra se criar, haja visto o que o Criador fez do caos e todos nós carregamos o DNA do Criador.

Bora desengavetar sonhos, projetos, processos e dar o primeiro passo na direção dos objetos.

Há o que depende só de cada um de nós.

Carlos Bregantim - YouTube


Carlos Bregantim

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio