Pular para o conteúdo principal

Nutrição e Saúde | Você conhece os tipos de Alface? - por Jailson Cavalcante

Sem graça para alguns, presença marcante nas refeições de outros, a alface é uma folhinha que pode aparecer no nosso dia a dia em receitas de saladas das mais variadas, em lanches naturais e até em alguns medicamentos fitoterápicos para acalmar os nervos. Mas você sabia que existem diversos tipos de alface? Vamos falar um pouco sobre eles e conhecer melhor seus benefícios e características específicas.
Alface americana

Considerada uma boa opção para deixar os pratos crocantes, a alface americana tem um formato mais arredondado, que se assemelha a um repolho. Suas folhas ficam dispostas em camadas, uma sobre a outra. Por se adaptar melhor a temperaturas altas, esta alface cai bem em sanduíches quentes. Entretanto, a alface americana é considerada uma variedade com baixo valor nutritivo, se comparada a outros tipos de alface.
A alface americana é bastante rica em água, dura mais tempo na geladeira que os outros tipos de alface e costuma ser muito utilizada por redes de fast-food. Além disso, como o próprio nome já diz, ela foi originada na América.

Alface lisa



Trata-se do tipo de alface mais consumido pelos brasileiros, que apresenta folhas lisas, soltas e macias. O miolo da alface lisa, que tem folhas menores, possui um sabor suave, enquanto as suas folhas externas e escuras contêm um gosto mais forte no paladar. A alface lisa é fonte de nutrientes como fibras, fósforo e vitamina C.

Alface roxa



Como o próprio nome já indica, esta variedade de alface apresenta uma coloração levada para o tom do roxo e tem um sabor suave.
As alfaces roxas são dotadas de uma substância conhecida pelo nome de antocianina, que é classificada como um antioxidante. Os antioxidantes são compostos que bloqueiam parte dos danos provocados pelos chamados radicais livres, substâncias que danificam o DNA e que, ao serem acumuladas ao longo do tempo, podem contribuir com o processo de envelhecimento e com o aparecimento de problemas de saúde como doença no coração, câncer e artrite. Ou seja, o consumo regular desse tipo de alface pode a longo prazo somar esforços contra tais doenças e envelhecimento precoce.



Alface crespa

Ela é até parecida com a alface lisa – as suas folhas também são soltas e macias. Entretanto, as diferenças entre esses tipos de alface são curvinhas ou ondinhas nas extremidades da alface crespa. Suas folhas também são compridas e soltas e este tipo costuma aparecer em saladas e sanduíches com carnes e frios.
Considerada uma fonte rica em fibras, nutriente que auxilia a nossa digestão, a alface crespa também possui fósforo e cálcio em sua composição. Também é um dos tipos mais encontrados nos mercados do Brasil e consequentemente, na mesa dos brasileiros.

Alface frisada

Não tão comum de ser achada nos supermercados, esta variedade de alface também é conhecida pelo nome de alface frisée e é fonte de nutrientes como cálcio, fósforo, ferro, vitamina A e vitamina C – todos importantes para o nosso organismo funcionar corretamente.
Essa variedade apresenta folhas mais finas e rígidas, com uma cor que varia do verde ao amarelado e tem um leve amargor em comparação aos outros tipos de alface. Esta alface combina com saladas compostas, feitas com ingredientes como queijo de cabra, molho de mostarda e nozes, e com o sabor adocicado de frutas, que dão o equilíbrio perfeito de sabores.


Alface romana


Normalmente é utilizada refogada pelos italianos, esta variedade também pode ser utilizada no preparo de sopas ou nas tradicionais saladas, como a famosa salada Caesar. É o tipo de alface que apresenta a coloração verde mais escura. As folhas de alface romana são compridas, firmes, possuem sabor intenso e contêm uma textura rugosa e agradável. O teor de fibras encontrado na alface romana torna o alimento um bom suplemento para um trato digestivo limpo. A variedade romana da alface é composta por potássio, vitamina C e vitamina K, outros componentes fundamentais para que o corpo humano funcione corretamente.
Atenção para um detalhe: alface romana não é acelga! A alface romana possui alguns nutrientes a mais que a acelga, além da aparência das folhas mais fibrosas e escuras.
Sempre mantenha esses alimentos presentes em suas refeições, entretanto, o consumo de fibras deve vir acompanhado de uma boa ingestão de água – no mínimo oito copos por dia – para que o nutriente trabalhe efetivamente e não surjam problemas como prisão de ventre e endurecimento das fezes, então não se esqueça de procurar um profissional nutricionista para o acompanhar de maneira individualizada. Pois essas informações são para todos, mas cada corpo funciona como um relógio, cada um a seu tempo. E em tempos de tanta ansiedade, lembre-se: a comida não é sua inimiga.
Jailson Cavalcante é nutricionista

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio