Pular para o conteúdo principal

Número permitido de pessoas em templos religiosos deverá ser ampliado em PE

Devido à pandemia do novo coronavírus, os templos religiosos só podem ter até 50 pessoas. A limitação está disposta na Portaria Conjunta nº. 01 das secretarias de Saúde; Desenvolvimento Social, Criança e Juventude; e Políticas de Prevenção às Drogas do Estado de Pernambuco. Porém, esta situação poderá ser modificada, através da intervenção do deputado estadual Delegado Lessa.

Através de ofício encaminhado à Secretaria Estadual de Saúde, o deputado solicita que seja permitida a ocupação de 30% da capacidade de templos e locais de culto com lugares para até mil pessoas.


Oração, Mãos, Igreja, Luz

No documento, Lessa solicita a readequação do quantitativo de pessoas em locais de culto/celebração, retirando o limite de 50 pessoas, e passando a exigir apenas a limitação ao percentual de 30% da capacidade de cada local que comporte até 1000 pessoas. O deputado argumenta que essa lógica da proporcionalidade já é adotada em outros estados, a exemplo de Maranhão e Paraíba. Lessa também solicita a publicização do plano de reabertura de templos e locais de culto, incluindo as medidas preventivas e o planejamento a longo prazo referente à possível ampliação progressiva do percentual mínimo de 30%.


Lessa solicita a ampliação do número de pessoas nos templos religiosos.
Foto: Roberto Soares/Alepe


De acordo com o deputado, mesmo a realização de mais de uma programação religiosa é insuficiente para atender aos fiéis, levando-se em consideração que o número de 50 pessoas inclui celebrantes, músicos, operadores de imagem e som e demais equipes de voluntários. “Nosso pleito guarda o devido respeito ao estabelecido em portaria conjunta com normas de prevenção ao contágio, apenas buscando uma adequação às múltiplas realidades quanto à capacidade dos locais de culto e número de frequentadores presenciais”, explana o Delegado Lessa, no ofício.


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio