Pular para o conteúdo principal

Conversão – Odete Souza

Conversão do real em dólar. Conversão de dólar em real. Conversão de cristão em budista. Conversão de budista em cristão. Conversão de corrente elétrica de pequena voltagem em outra de maior voltagem e assim, as conversões se sucedem indefinidamente…

Detenhamo-nos aqui, não apenas na conversão-troca ou naquela palavra aparentemente austera e para muitos anacrônica, compatível, talvez, somente, com os eremitas, monges e com aqueles grandes e históricos convertidos: Paulo, Agostinho, Madalena e muitos outros.

Queremos enfatizar a conversão-dom de Deus e privilégio do homem, cuja vida é um permanente buscar.

Buscar o quê? A sua identificação com o Criador, o que significa a tentativa de perfeição, atendendo as palavras do Mestre: “Sede perfeito assim como vosso Pai Celeste é perfeito”.

Conversão é entrar em si mesmo e nessa intimidade deparar-se e conscientizar-se das suas faltas e encorajar-se a agir para diminuí-las ou eliminá-las.

Dois requisitos são indispensáveis à conversão: a humildade que reconhece a decadência e o arrependimento que perturba, inquieta, entristece e sofre a dor da queda, impulsionando à reparação.

A trilogia oração – penitência – partilha, inteligente e gradativamente sequenciada, constitui um forte e decisivo instrumento à conversão.

A oração esclarece a inteligência e fortalece a vontade, proporcionando domínio pessoal que leva à penitência, através do jejum alimentar, do jejum do conforto, dos prazeres, da honra, do poder e, sobretudo, do jejum da língua, dos olhos e do pensamento.

E toda essa renúncia será reunida e direcionada em favor do outro, pela partilha generosa e consciente.

Conversão, não é, portanto, um caminho de mão única.

É o nosso ir e o vir do irmão, visando aquele encontro fraterno, tão agradável ao Pai. “É fazer-se um”.

Não somente os pecadores e criminosos públicos são passíveis de conversão.

Todos nós temos muito a converter, de modo especial, a injustiça em justiça do doar-se material e espiritualmente ao semelhante.

A conversão é um processo e por isso é uma ação contínua e segue paralela à nossa vida inteira. Jamais alcançaremos a plenitude de nossa conversão!..

Convençamo-nos de que conversão é libertação e realização humana.

Que as pessoas, governantes, povos e nações assumam a vocação para qual foram criados, que é um converter livre e contínuo e a isso, poderemos chamar uma autêntica conversão da terra em céu.



Odete Souza (Foto: Chiapettas/Divulgação)

Odete Melo de Souza era professora e cronista. Morreu em 2015, aos 92 anos. Este texto havia sido publicado na revista Caruaru Hoje (edição de abril e maio de 2003).

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup