Pular para o conteúdo principal

As licitações não atrasam – por Oscar Mariano

Como todos sabemos, já estamos a mais de 100 dias sem termos aulas presenciais nas escolas e faculdades em todo país, algumas instituições estão realizando as aulas on-line. Isso devido ao avanço e todas as consequências que a COVID-19 trouxe para todos nós. Porém a medida se fez necessária, caso contrário, poderíamos ter problemas ainda maiores com as crianças e familiares, principalmente com os idosos.

Temos consciência de que ninguém estava preparado para enfrentar essa pandemia, onde fomos nos adaptando a ela, com o uso de máscaras, álcool em gel 70%, lavar as mãos, e o principal, sair de casa só quando necessário. Mas além dos desafios impostos pela COVID, tivemos outros problemas, e esses envolvendo práticas ruins por parte dos políticos. Tivemos inúmeros exemplos como os casos da prefeitura de Recife, que comprou respiradores para porcos, a prefeitura do Rio de Janeiro que prometeu vários hospitais de campanha, e mal conseguiu entregar um, são tantos exemplos que nos deixa com uma inquietação enorme. Nesse ponto da pandemia, o Governo Federal disponibilizou recursos para todos os estados e municípios do país, onde a realidade poderia ser bem mais trágica.

Para Caruaru, foram destinados mais de R$ 30.000.000,00 (TRINTA MILHÕES DE REAIS) para o combate ao coronavírus onde deste valor, foram construídas dez UTI’S, vários equipamentos como termômetros digitais, remédios, EPI (Equipamento de Proteção Individual), entre outros. Mas existem alguns pontos que precisamos avaliar e nos questionar, principalmente em relação a educação. Pois temos acompanhado o grande problema que envolve a merenda escolar, onde a primeira entrega aconteceu com quase 40 dias de atraso e a segunda quase cem dias de atraso, e mesmo assim, ocorreram vários outros problemas.

Esse problema com a merenda, nos leva a vários questionamentos, pois se observamos o Diário Oficial da Prefeitura de Caruaru, podemos observar vários contratos voltados para merenda escolar. Por exemplo, duas empresas que ganharam as licitações na semana passada, devem entregar gêneros alimentícios de origem animal (carne), mais especificamente na quarta (15/07) e na quinta (16/07), onde o valor das duas licitações é de R$ 121.779,70 (CENTO E VINTE UM MIL, SETECENTOS E SENTENTA E NOVE REAIS E SETENTA CENTAVOS). Ora, as escolas estão fechadas, estão sem aula, qual a necessidade de se comprar carne agora? E se tem carne, por que não entregam? Visto que, não temos uma data definida para o retorno das aulas, vão deixar esse dinheiro empenhado, podendo ser utilizado em outras demandas? O mais coerente é suspender os contratos, e aplicar o valor em outra demanda, por exemplo com alimentos dignos para o kit merenda.

Outro ponto, é que no Diário Oficial do dia 21/07/2020, a Prefeitura de Caruaru, aumentou em dois contratos de duas empresas, que são responsáveis pelo transporte de crianças e professores das escolas municipais, um percentual aproximadamente 50%, onde o valor total é de R$ 813.219,38 (OITOCENTOS E TREZE MIL DUZENTOS E DEZENOVE REAIS E TRINTA E OITO CENTAVOS). Ora, não estamos tendo transporte de crianças, pois as escolas estão sem aula, e o que é pior, o primeiro contrato ainda não terminou. E outro ponto, é que o contrato de uma das empresas, ainda está dentro do prazo, e que tem outros serviços que passam do valor de R$ 1.700.000,00 (HUM MILHÃO E SETECENTOS MIL REAIS), é mais um absurdo que envolve a educação municipal de Caruaru. Fica uma pergunta: qual o motivo do aumento do contrato, se não estão transportando os alunos e professores? 

Vamos esperar, e vermos se os vereadores de oposição, irão tomar as medidas cabíveis e solicitar explicações para esses contratos e aumentos, que nos deixam com vários questionamentos, pois esperamos que exista uma explicação plausível para tais ações.



Oscar Mariano

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid