Pular para o conteúdo principal

"A igreja deve perceber qual é o verdadeiro Evangelho e focar nele", diz o pastor Ismael Ornilo


O presidente da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil, Ismael Ornilo, que também é pastor da Igreja Evangélica Congregacional Vale da Bênção da Vila Kennedy, em Caruaru/PE, conversou com ConTexto sobre os rumos da igreja pós-pandemia. Confira:





Como o senhor analisa os impactos da pandemia na Igreja?
Eu enxergo um impacto em todos os sentidos. O primeiro impacto é na família, que foram obrigadas a se dividirem – as pessoas com mais de 60 anos ficaram em casa, sem poder cultuar no templo. Então, como igreja, temos de pensar como vamos assistir os idosos, que são pessoas que amam muito a igreja, frequentam a igreja e consideram a igreja como um lugar muito essencial. As crianças (de até 10 anos) também sofreram impactos, pois têm de ficar em casa. Essa situação também gerou um impacto financeiro nas igrejas, porque, se as famílias estão sofrendo e a igreja é uma formação de famílias, a igreja sofre também. Todo tipo de projeto missionário, evangelístico ou mesmo de ampliação terão de se adaptar a uma nova realidade, para assistir um grupo menor de pessoas, de maneira responsável. Houve um impacto também de adaptação tecnológica. Antes, nós pensávamos em cultuar presencialmente com um número específico de membros. Hoje não é mais assim. As pessoas que estão indo para a igreja é um grupo menor, mas há pessoas que estão em casa que também precisam ser alcançadas pela mensagem. É necessário ter uma linguagem que possa atingir outras pessoas, que não são da igreja. É um número muito grande de adaptações.

Um fator positivo é que, hoje, a igreja está atingindo muito mais pessoas, por causa do fator tecnológico. Com os cultos on-line, nós podemos chegar no mundo todo. O problema que vejo neste sentido é a questão da mensagem. Penso que a igreja deve perceber qual é o verdadeiro Evangelho e focar nele – perdão dos pecados, relacionamento com Deus, relacionamento com Jesus Cristo –, ao invés de uma vida de conforto e prosperidade material. Precisamos, realmente, que as verdadeiras igrejas, os verdadeiros profetas, falem do verdadeiro Evangelho. Espero que esta pandemia possa ensinar que o verdadeiro Evangelho, focado na salvação de almas, esteja na boca de todos os profetas de Deus.


Este momento de pandemia também fez com que surgissem alguns ‘profetas apocalípticos’, com aplicações das profecias de forma sensacionalista. Como o senhor avalia este cenário?
A Palavra diz que haverá o princípio das dores. O princípio das dores não são as dores, são alertas da natureza. A natureza está respondendo às agressões. A natureza é, também, uma trombeta do Senhor, que está anunciando que alguma coisa está errada neste planeta. Eu acho que este vírus é um contra-ataque da natureza, e outros vírus também. A Bíblia fala que estes sinais são como dores de parto, vão se intensificando, vão aumentando com o passar do tempo.

Eu não vejo que estejamos agora diante de um cenário apocalíptico iminente. Existem algumas coisas que ainda não estão muito claras. Em II Tessalonicenses, capítulo 02, diz que haverá dois sinais muito claros quando o tempo final chegar. O primeiro deles é a apostasia, o abandono da fé. As pessoas optarão por outro tipo de fé. Eu vejo este sinal, mas não de forma muito clara. Eu vejo o abandono do verdadeiro Evangelho em muitos casos, mas isso não é uma apostasia muito clara. O outro sinal é a revelação do Filho da Iniquidade, que se levanta contra tudo o que for relacionado a Deus. Eu não entendo que isso seja relativo ao nome de Deus, mas do que represente Deus. Então, quando esses sinais acontecerem, saberemos que Ele estará às portas. Por enquanto, o que vejo são princípios das dores. Sinais de que algo está para acontecer – nós estamos agredindo a natureza, ela está respondendo a isso. Os sinais das trombetas de Apocalipse são nas águas, no mar, nos céus, ou seja, sinais na natureza que vão se intensificando, para que as pessoas que são de Deus se voltem para o Criador e busquem proteger a si mesmas e a suas famílias e ter uma vida em paz com Deus, com fé, com amor, com esperança. Uma vida cheia de paz. O que precisamos nos dias de hoje é paz. Independentemente se o mundo vai acabar hoje, amanhã ou daqui a 100 anos, se estamos com Cristo estamos seguros. Não devemos nos preocupar com o futuro. Se tivermos uma vida em paz com Deus hoje, isso já é suficiente.

E com relação às novas configurações da igreja. Mesmo após o período de pandemia, o senhor acha que atividades virtuais continuarão? As igrejas serão, ao mesmo tempo, presenciais e on-line?
Sim. Acho que não há como retornar. Percebemos de maneira muito clara que a igreja hoje está sendo convocada para anunciar o Evangelho ao mundo todo através desta ferramenta. Nossa mensagem já não é mais para os que estão na vista do pregador, mas a mensagem profética tem de ser para o mundo todo.


Porém, existem mensagens que são mais amplas, mas outras têm implicações eclesiológicas bem específicas. Como ficam essas distinções em cultos transmitidos abertamente?
No nosso caso, as igrejas congregacionais têm os cultos públicos e os chamados cultos administrativos, que são assembleias de membros. Estes são particulares, não são transmitidos, servem para a igreja local – como uma família, quando se senta para tratar das suas questões internas. Porém, as mensagens que a igreja tem segurança de que são bíblicas, independentemente se outras igrejas têm uma concepção diferente da nossa, a igreja terá de aprender que estas questões eclesiológicas, relacionadas às formas de administrar as questões dos templos, poderão ter diferenças; mas as questões teológicas devem ser apresentadas de forma aberta.

Às vezes, a gente acha que a Igreja Católica, por exemplo, tem unicidade. Isso não é verdade. A unicidade da Igreja Católica parte do pressuposto de que ela tem um líder, mas há conservadores, há progressistas dentro da Igreja Católica; há espiritualidades totalmente diferentes, como a franciscana e a beneditina, por exemplo. Existem compreensões teológicas no sentido da salvação diferentes. Uns acreditam que tem a ver com a libertação dos pobres, outros dizem que isso tem a ver com uma relação com Deus. Então, há diferenças dentro da Igreja Católica. No campo das igrejas reformadas, evangélicas ou pentecostais, teremos de aprender o que é essencial e o que não é, e aprender onde está a verdadeira Mensagem, o que realmente o Senhor nos chamou a pregar. Enquanto não aprendermos isso, estarão sendo pregadas outras coisas, não o Evangelho, mas usando a Bíblia. Acredito que só o Espírito Santo fará que as ovelhas de Cristo entendam onde está a verdadeira chamada de Jesus Cristo. Quando a voz dEle ecoar, as verdadeiras ovelhas vão ouvir Sua voz.


Há igrejas que defendem que o membro deve se manter fiel à denominação em que estão, mesmo se tiverem de se ausentar da igreja local. Como o senhor observa este tipo de norma?
Não entendemos que a fidelidade a Cristo corresponda a uma fidelidade denominacional. Como igrejas congregacionais, entendemos que uma igreja verdadeira tem três marcas. A primeira é a pregação do verdadeiro Evangelho, o qual ensina que para o homem se relacionar com Deus precisa se arrepender dos seus pecados e crer no Evangelho, tendo como maior benefício o perdão dos seus pecados. O verdadeiro Evangelho proclama uma vida de paz com Deus e perdão dos pecados. A segunda marca é a responsável aplicação dos sacramentos: o batismo e a ceia. A igreja tem cuidado com as pessoas que dizem ter se arrependido e querem se batizar, cuidando desta entrada das pessoas, ensinando-as; e se cuida da mesa da Ceia do Senhor, não permitindo que ela seja proclamada. O terceiro sinal é a disciplina. Ou seja, se a igreja vir que alguém estiver andando de forma desordenada, o tal é chamado, orientado, cuidado, e se quiser se manter de forma desordenada, é afastado da comunhão, então, é uma boa igreja, mesmo se for Batista, Presbiteriana ou Assembleia de Deus.

Quanto às pessoas que precisem se mudar de cidade, estado ou país e queiram permanecer membro de uma igreja anterior, isso é possível?
Sim. Temos membros em nossa igreja que estão em lugares distantes. Há membros que estão no Recife, em Salgueiro e Serra Talhada, por exemplo. São irmãos que não querem se desvincular da sede. Frequentam igrejas locais onde estão. Hoje, com o advento dos cultos serem transmitidos, assistem-nos pela internet. Entregam dízimos e ofertas na igreja-sede, porque confiam que os recursos são bem administrados, aplicados nos locais certos, com uma diretoria eleita para este fim. Os membros da igreja local onde pastoreio sabem que a cada dois anos há uma diretoria administrativa, com recursos específicos para missões, para a área social – nenhum membro desta igreja pode passar necessidade, os pastores não mexem com dinheiro. Os pastores são presidentes da diretoria administrativa, pedem relatórios e cobram atividades, mas a função dos pastores é pastorear o rebanho e a obra missionária. Quando os membros daqui veem esta realidade, mesmo quando saem querem continuar vinculados. Acho que isso tem a ver com confiança.


Qual seria a mensagem mais importante para este momento que estamos vivenciando?
A mensagem que temos de ter neste dia é de gratidão, esperança e solidariedade. Gratidão porque, apesar desta pandemia, se você está lendo esta entrevista agora, Deus poupou você. São mais de 80 mil mortos hoje. Apesar de ter levado algumas pessoas que amei e ainda amo em minha memória, Deus me poupou e eu tenho a responsabilidade de fazer o bem aqui na terra. Digo que temos de ter esperança porque, se Deus nos disciplinou para valorizarmos o que realmente tem valor em meio a esta pandemia, mas se as coisas estão prestes a voltar – existem, pelo menos, três vacinas em fase de experimentação, temos de ter esperança de que Deus está nos dando uma nova chance. Quando pudermos voltar, temos a obrigação de sermos pessoas melhores – perdoando mais, valorizando abraços, sorrisos. E eu acho que a humanidade precisa perceber que se formos egoístas não vamos escapar, temos de ser solidários. A gente precisa olhar de lado, dividir o que a gente tem com quem não tem. Se a humanidade for solidária, vamos vender qualquer tempestade, qualquer guerra, qualquer pandemia. Acredito que o Criador nos permite passar por algumas situações para que possamos perceber que somos seres que devem viver em comunidade. O individualismo vai matar a humanidade; a solidariedade vai salvá-la. Então, divida sua dispensa com os mais pobres; divida seu sorriso, seu talento, suas competências com o mundo. Se formos assim, acredito que teremos aprendido com esta pandemia. Quem sabe Deus dê mais alguns anos à humanidade, sem que tenhamos nos autodestruído.


Por Jénerson Alves


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.