Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | Setor têxtil sai na frente e lança tecidos que combatem Covid - por Jorge Xavier

As empresas têxteis brasileira Dalila Têxtil e a italiana Albini Group criaram tecidos com acabamento à base de prata, capaz de destruir a camada externa protetora do Sars-Cov-2.
Poderia uma roupa ajudar a proteger do coronavírus? Essa é a proposta da empresa têxtil  catarinense Dalila Têxtil, que trabalha há anos com grandes marcas nacionais e criou malhas com acabamento antiviral. A novidade promete ser eficazes contra os vírus envelopados, caso do coronavírus, herpesvírus e influenza, e não envelopados tipo o adenovírus humanos, norovírus e enterovírus.

Sua tecnologia utiliza partículas de prata (antimicrobiano) para atrair o vírus com carga oposta fazendo com que o mesmo se ligue aos grupos de enxofre presentes na superfície que envolve o vírus. Essa reação inibe o crescimento e a persistência do vírus no tecido, com um mecanismo de ação que bloqueia sua ligação nas células hospedeiras, impedindo que o microorganismo libere seu material genético no interior. Resultado? Menor capacidade infecciosa nas células. Além disso, a formulação do produto é baseada em química verde, com estabilizante natural de origem brasileira.

"Essa inovação impacta o mercado da moda para melhor. As roupas começam a unir design e cuidados com a saúde. Além do combate ao coronavírus, vemos isso nos tecidos com proteção UV, antibacterianos contra odor, repelente à água... Diante do cenário de pandemia, o 'novo normal' do setor têxtil é também ajudar as pessoas a cuidarem da saúde por meio das tecnologias de proteção", explica André Klein, diretor da Dalila Têxtil.

A boa notícia é que o acabamento antiviral já foi testado, por exemplo, em máscaras faciais e tecidos de confecção, e dura até 20 lavagens. Os testes foram realizados em um laboratório independente seguindo as normativas científicas reconhecidas internacionalmente, como a AATCC 100 (antibacteriana) e ISO18184 (antiviral). "Estamos orgulhosos de sermos pioneiros."


Máscara Respiratória, Máscara Protetora, Boca

Outra empresa brasileira que acaba de lançar tecido antiviral é a também catarinense Diklatex, especializada têxteis técnicos e tecnológicos para esporte e activewear, com grandes marcas no portfólio (entre elas Adidas, Nike e Puma). Segundo a empresa, o tecido destrói mais de 99% dos vírus e bactérias que ficam na sua superfícies em até 2 minutos e inativa 100% em até 10 minutos.

Já, a italiana Albini Group (conhecida por fornecer para nomes como o grupo Kering, Armani, Ermenegildo Zegna e Prada), afirma também ter desenvolvido um tecido antiviral.

A matéria-prima foi criada em colaboração com a companhia suíça de inovação têxtil HeiQ - químicos são aplicados durante a produção, em um processo similar à impermeabilização. A eficácia ainda está sendo testada, mas Fabio Tamburini, CEO da Albini, acredita que, assim como o já existente tratamento antibacteriano, a proteção antiviral também se tornará comum ao longo da próxima década, podendo ser usada em roupas de viagem ou por baixo do equipamento hospitalar de profissionais de saúde, por exemplo. “Mas ela funciona apenas como uma ajuda adicional. Você ainda tem que lavar as mãos, usar máscara e fazer distanciamento social”, explica.

Fonte: Vogue/Globo



Jorge Xavier é estudante de Gestão Comercial

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid