Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina.

São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru.

O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças.

Jeans, Calças De Brim, Calças, Azul, Loja, Compras



Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacional de jeans nos últimos cinco anos. Em 2014, o país produziu 363 milhões de peças avaliadas em R$ 11 bilhões. De lá para cá, o volume fisico recuou 6% e o valor aumentou 31%. Em 2019, os 341 milhões de peças jeans foram produzidos por 5,6 mil fábricas que geraram 301 mil empregos diretos. Calças correspondem a 56% da produção.

CLASSES B e C PUXARÃO A RETOMADA DE CONSUMO

Em 2020, esse cenário provavelmente mudará sensivelmente, afetado pelos efeitos da crise da covid-19. Difícil calcular a profundidade da mudança. Até abril, a queda projetada de produção de roupas em geral para o ano era de 18%. Esse indice subiu para 21% em maio, com a quarentena se estendendo, atualizou Prado.

Para o varejo, o declínio estimado até maio é de 16,1%.

Ele lembrou que nem a retomada, nem o desempenho do varejo, serão homogêneos no Brasil, avalia que 100% das atividades retornarão em 45 dias, em todas as regiões. E não recomenda entrar em guerra de preços, visando classes D e E. "Essa população vai demorar mais a reagir", observa.

As pesquisas do lemi indicam que o primeiro grupo a retomar as compras será formado por consumidores das classes B e C1 que juntos, respondem por 59% das compras de vestuário no Brasil.

Fonte: GBL Jeans/IEME/Santista


                                      
Jorge Xavier é estudante de Gestão Comercial

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas