Pular para o conteúdo principal

Artigo | Lei Aldir Blanc sancionada. E agora? - por Paulo Nailson

A Lei da Emergência Cultural foi sancionada, o que vai acontecer agora?

O presidente assinou na noite de 29 de junho, mas hoje (30), quando será publicado no Diário Oficial, é que saberemos mais detalhes.

A informação que temos, dito pela deputada Jandira Feghali (PCdoB), relatora da lei, é que o impasse agora é em torno da descentralização dos 3 bi para os municípios.

Como em muitas outras áreas, sem experiência, o governo não sabe ainda como fazer chegar nas cidades a verba emergencial.

O único item que foi vetado foi o prazo de 15 dias para fazer a liberação dos recursos (descentralização). Eles estão receosos de garantir esse prazo e não conseguir cumprir, alegando que nem todos os municípios tem fundo de Cultura e isso pode atrapalhar a execução da lei. 

Ou seja, é preciso comemorar porque a lei foi sancionada, porém a luta vai continuar sem cessar para viabilizar a liberação dos recursos, fazer chegar no destino e mais ainda, continuar essa articulação nacional na defesa da liberdade, da democracia e na garantia dos direitos.

Isso não vai parar por aqui.

Nada de esperar... 

Os Grupos de Trabalhos  compostos com Conselheiros tem papel fundamental na adequação da lei a cada município. Conselheiros, gestores, Executivo e Legislativo garantindo que nenhum trabalhador (artista ou entidade) deixe de receber o auxílio.

Realizaremos a 4° Conferência Nacional de Cultura, vamos continuar auxiliando os municípios a implementar os seus Sistemas Municipais de Cultura com todos os equipamentos: Lei do Sistema Municipal de Cultura, Conselho Municipal de Política Cultural, Plano de Trabalho e Fundo Municipal de Cultura, Sistema de Indicadores e Informações Culturais (SIIC) isso tudo construído coletivamente nós fóruns setoriais (que devem ser permanente).

A vitória dessa noite foi histórica, mas a batalha continua.


*Paulo Nailson A. Lima é articulador cultural e apresentador do Cultura e Cidadania na rádio Cidade FM. (Em tempo, passei por procedimento de cirúrgico e estou em repouso).

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio