Pular para o conteúdo principal

A luta laranja continua - por Mylena Macêdo


O mês de maio foi palco para uma campanha importantíssima para a humanidade, chamada de #maiolaranja. O objetivo foi o de conscientizar e fazer um alerta às pessoas acerca do abuso sexual infantil. Confesso que falar sobre esse assunto não é fácil. Não estive na linha de frente dessa campanha. Não gerenciei nenhum ato ou mobilizei pessoas nessa causa, mas a abracei. Tive a honra de participar da criação de duas crianças, já fui professora na EBD para crianças também, já fui voluntária em um trabalho com pessoas especiais e sei da relevância do cuidado que devemos ter com esses seres tão indefesos e ingênuos.

Infelizmente eu conheci a história de um homem que trabalhou em pesquisas que tinham crianças como "ratos de laboratório" e os testes eram a partir de abusos. O Relatório Kinsey faz parte de uma temática polêmica e falsamente discutida nas academias e rodas de conversa que tenham a ver com política e ideologias. Alfred Kinsey foi um cientista da sexualidade. No século passado, ele se aliou a um homem chamado Dr. Dickinson, também conhecido como Dr. Green, nomeado por Kinsey como "Dr. X". Esse homem foi peça fundamental para o avanço das pesquisas custeadas pela Fundação Rockefeller. "[...] alguns relatos registram o nome de Rex King para o funcionário público que tinha molestado, conforme suas próprias contas, mais de oitocentas crianças." Essa citação é da escritora, professora e deputada estadual de Santa Catarina Ana Caroline Campagno, do seu livro chamado "Feminismo: perversão e subversão".

Você percebe que o abuso sexual não se trata apenas de uma campanha laranja? Essa causa é antiga e "defendida" pela revolução sexual. E isso não aconteceu apenas no século XX, é triste dizer que hoje o cenário é bem pior. O mercado pornográfico com crianças é assustador. Em uma conversa com a cantora Marcela Taís, a ministra dos Direitos Humanos no Brasil Damares Alves falou que já viu casos de bebês serem abusados e tudo ser registrado e lançado no mercado pornográfico. Esse trabalho também foi utilizado por Kinsey e sua comitiva. Com o financiamento da fundação, Kinsey montou um estúdio de gravação altamente equipado e com profissionais da área, não apenas para registrar relações sexuais, mas também analisar os abusos infantis feito pelo "Dr. X".

O assunto é vasto, as discussões ainda são insuficientes para a resolução desse problema. Muita gente acha que isso não acontece, outros levantam a bandeira só por questões políticas e ideológicas (e muitas vezes de forma camuflada, diz que defende, quando na verdade faz parte do quadro de abusadores).

Um mês para cuidar das nossas crianças é muito pouco, a luta deve ser diária e constante. Essa é uma causa que não se resolve com vídeos institucionais ou visitas nas casas de famílias carentes por conselheiros tutelares. É uma doença psicológica e principalmente espiritual.

Mylena Macêdo é jornalista

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio