Pular para o conteúdo principal

100 dias - por Carlos Bregantim

Nunca vivi 100 dias exclusivamente dentro de casa, nunca mesmo, na minha vida toda.

100 dias com a Lau aqui em casa, algo absolutamente inédito, pois, embora casados há 42 anos, nunca tão juntos num período longo como este.

100 dias sem ver minha mãe e meu único irmão vivo hoje.

100 dias nos quais só vi meus filhos, Carol e Filipe, minha nora Mayte e meu neto, Arthur, de longe três ou quatro vezes, sem nos tocar, o que pra nós, é um prejuízo incalculável.

100 dias sem ver e quase sem conversar com familiares.

100 dias sem ver amigos com os quais semanalmente nos encontrávamos pra um Café & Prosa.

100 dias sem encontros presenciais com tantos queridos e queridas cujas vidas me são caras, gente de todos os lugares, gente diferente, gente boa, gente linda, gente...

100 dias sem ver e conversar com balconistas e meus amigos das padarias, bares e lugares públicos onde encontro pessoas, sim, pessoas, combustível pra minha vida.

100 dias de saudades de gente.

100 dias sem abraços.

100 dias sem prosas longas.

100 dias sem caminhar livre, seguro, saudável, em silêncio, orando, falando comigo mesmo, contemplando tudo que vejo pela frente, no entorno, ouvindo sons, saboreando o ar livre.

100 dias de BENDITA HORA DE ORAÇÃO que é minha principal e mais significativa reunião que faço nas redes sociais, é, 100 noites que, às 21h30, reuno-me com todos que aparecem pra orarmos juntos.

100 dias cumprindo uma agenda virtual e buscando fazer dos encontros virtuais, encontros com significados, carregados de afeto, ternura, amor e sincero desejo de servir, mesmo virtualmente.

100 dias que estão cravando no meu coração, na minha alma, no meu espírito e até no meu corpo marcas que jamais esquecerei e de mim jamais sairão.

100 dias ainda inexplicáveis.

100 dias tentando responder o que virá.

100 dias de choro, sim, choros diários a cada noticia de morte.

100 dias tentando reagir aos ciclos de ódio, violência, preconceitos e exclusão numa sociedade que vive sendo incentivada a se desumanizar.

100 dias de desinformações, desencontros, negacionismos em todas as esferas da vida.

100 dias aguardando o surgimento de uma combinação medicamentosa que cure e a descoberta de uma vacina que previne.

100 dias de luto.

100 dias.

Que o Senhor nos leve para o outro lado deste vale da sombra da morte e que a bondade e a misericórdia nos encontre a todos.

Agora com Carlos Bregantim. - Caminho da Graça - Estação Rio Preto ...

Carlos Bregantim é escritor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.