Pular para o conteúdo principal

Uma saída para Bolsonaro - por Roberto Rachewsky


Bolsonaro só tem uma saída, seguir em frente com o projeto inicial do seu governo.
Não importa quem desembarcou até aqui, importa quem segue fazendo o seu trabalho.
Já disse e repito, Bolsonaro é um elefante numa loja de cristais, ele vai quebrar muita coisa, mas até agora não deu demonstrações de que vai roubar o caixa e quebrar a empresa, como os ratos que o antecederam fizeram.
Dizem que ele não negocia com o congresso. Quando ele resolve negociar dizem que ele é um vendido.
Temer pode contar como conseguiu aprovar a Reforma Trabalhista e a PEC do Teto, vocês acham que não vai ter custos para tirar o Brasil do brejo?
Dizem que é preciso combater o politicamente correto, mas quando Bolsonaro não se deixa censurar pelos pós-modernos, é tachado de tosco e truculento.
Sim, Bolsonaro é tosco e truculento e é isso que se precisa ser para combater o politicamente correto que visa  a censurar a todos.
Eu não gosto do Bolsonaro, mas olhando as alternativas, com Moro ou sem Moro, eu ainda apoio o seu governo.
Muitos amigos discordam de mim, eu os entendo. Não será a política que me afastará deles. Queremos chegar no mesmo destino carregando os mesmos príncipios e valores, ainda que por caminhos paralelos.
Não esqueço também que tenho amigos no governo e os defenderei não por serem amigos, mas por conhecer seus princípios, valores e ideais.
Se Bolsonaro fosse um ditador, justificar-se-ia todo esse pudor que eu vejo nos críticos. Mas que ditador respeita o Congresso? Que ditador respeita o STF? Que ditador quer dar mais liberdade para o povo? Que ditador defende a liberdade econômica e coloca no ministério um Paulo Guedes?
Ah sim, Pinochet fez algo parecido. Mas nem para Pinochet o Bolsonaro serve, afinal todos os comunistas brasileiros seguem soltos, inclusive o mais corrupto de todos.
Quem não conhece os opositores do governo Bolsonaro? Witzel, Dória, Maia, Alexandre de Moraes? E os economistas keynesianos desenvolvimentistas? E os partidos da esquerda vegetariana como o PSDB do FHC e a esquerda carnívora como o PT do Lula?
A crise não é do governo, é uma crise criada pelos parasitas que não querem largar o hospedeiro e pelos que tem nojinho de quem não se dobra ao politicamente correto.

Roberto Rachewsky é empresário e articulista


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid