Pular para o conteúdo principal

Uma saída para Bolsonaro - por Roberto Rachewsky


Bolsonaro só tem uma saída, seguir em frente com o projeto inicial do seu governo.
Não importa quem desembarcou até aqui, importa quem segue fazendo o seu trabalho.
Já disse e repito, Bolsonaro é um elefante numa loja de cristais, ele vai quebrar muita coisa, mas até agora não deu demonstrações de que vai roubar o caixa e quebrar a empresa, como os ratos que o antecederam fizeram.
Dizem que ele não negocia com o congresso. Quando ele resolve negociar dizem que ele é um vendido.
Temer pode contar como conseguiu aprovar a Reforma Trabalhista e a PEC do Teto, vocês acham que não vai ter custos para tirar o Brasil do brejo?
Dizem que é preciso combater o politicamente correto, mas quando Bolsonaro não se deixa censurar pelos pós-modernos, é tachado de tosco e truculento.
Sim, Bolsonaro é tosco e truculento e é isso que se precisa ser para combater o politicamente correto que visa  a censurar a todos.
Eu não gosto do Bolsonaro, mas olhando as alternativas, com Moro ou sem Moro, eu ainda apoio o seu governo.
Muitos amigos discordam de mim, eu os entendo. Não será a política que me afastará deles. Queremos chegar no mesmo destino carregando os mesmos príncipios e valores, ainda que por caminhos paralelos.
Não esqueço também que tenho amigos no governo e os defenderei não por serem amigos, mas por conhecer seus princípios, valores e ideais.
Se Bolsonaro fosse um ditador, justificar-se-ia todo esse pudor que eu vejo nos críticos. Mas que ditador respeita o Congresso? Que ditador respeita o STF? Que ditador quer dar mais liberdade para o povo? Que ditador defende a liberdade econômica e coloca no ministério um Paulo Guedes?
Ah sim, Pinochet fez algo parecido. Mas nem para Pinochet o Bolsonaro serve, afinal todos os comunistas brasileiros seguem soltos, inclusive o mais corrupto de todos.
Quem não conhece os opositores do governo Bolsonaro? Witzel, Dória, Maia, Alexandre de Moraes? E os economistas keynesianos desenvolvimentistas? E os partidos da esquerda vegetariana como o PSDB do FHC e a esquerda carnívora como o PT do Lula?
A crise não é do governo, é uma crise criada pelos parasitas que não querem largar o hospedeiro e pelos que tem nojinho de quem não se dobra ao politicamente correto.

Roberto Rachewsky é empresário e articulista


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup