Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | Seja você a mudança - por Jorge Xavier

Todos os dias deparamos com coisas que amamos que deveriam mudar. As primeiras nos dão prazer. As outras alimentam nosso desejo de transformar o mundo – idealmente, para torná-lo melhor. Mas tentar modificar crenças e comportamentos arraigados é desafiador. Aceitamos o status quo porque consideramos impossível empreender mudanças verdadeiras. Mesmo assim, ousamos perguntar: Pode um indivíduo fazer a diferença? E, em nossos momentos mais corajosos: Será que eu poderia ser esse indivíduo?

As pessoas que mais sofrem com determinado estado de coisas são, paradoxalmente, as menos propensas a questionar, desafiar rejeitar e mudar as coisas.

Importante saber que o que distingue a originalidade é a rejeição do que é convencional e a investigação sobre a existência de opções melhores. O ponto de partida é a curiosidade: Ponderar por que a convenção existe.

Estudo da área de gestão de Joseph Raffiee formularam uma simples pergunta: Quando alguém começa um negócio próprio, é melhor manter ou abandonar seu emprego convencional?

Se quisermos aprimorar nossa capacidade de selecionar ideias, não devemos nos perguntar se as pessoas tiveram sucesso. Precisamos entender como elas tiveram sucesso.

Vamos falar um pouco sobre o mito das culturas fortes. Repensando o pensamento em grupo do status quo.

A Polaroid criou um protótipo de câmera digital em 1992, mas a equipe da divisão de eletrônica não conseguiu convencer seus colegas a lançá-la até 1996. A empresa foi à lona de uma premissa errada. Dentro da empresa, havia o consenso generalizado de que os consumidores sempre iriam querer cópias físicas de suas fotos, e os principais tomadores de decisão deixaram de questionar essa certeza.

Foi um clássico de pensamento de grupo – a tendência de buscar o consenso em vez de estimular o dissenso. O pensamento de grupo é inimigo da originalidade: As pessoas se sentem pressionadas a se adaptar às ideias dominantes e estabelecidas em vez de defender a diversidade de pensamento.

Nossas escolhas se baseiam fundamentalmente em sentimentos de poder e compromisso. Você acha que consegue mudar alguma coisa e se importa com ela o suficiente para tentar mudar? Se acreditar que nada pode ser feito para mudar o status quo, você vai escolher “negligenciar” quando não houver um sentido de compromisso e “persistir” quando ele estiver presente. Se achar que pode fazer a diferença, mas não se sentir comprometido com a pessoa, o país ou a organização, “desistirá”.





As mudanças em nossas vidas precisam ser uma constante, só quem está morto não muda. Se há algo de errado a sua volta e você consegue enxergar, tenha certeza que você é o agente transformador, porém essa mudança precisa ser de dentro pra fora, primeiro se muda interiormente e então essa mudança irá refletir no seu exterior e naquilo que está a sua volta. Paulo escrevendo aos Romanos, disse, para não nos conformarmos com a situação, mas para tranformá-la pela renovação da nossa mente (Rm 12.2). Então busque conhecimento e entendimento e seja você, a mudança que você deseja.




Jorge Xavier é estudante de Gestão Comercial

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup