Pular para o conteúdo principal

Curado de covid-19, Irmão Batista conta seu testemunho


O enfermeiro João Batista Vieira Sales, natural de Catende-PE, congrega na Igreja Assembleia de Deus. Ele contraiu a covid-19 no ambiente de trabalho. Após uma quarentena com muitas dificuldades, mas com fé na graça e na misericórdia do Senhor Jesus, o Irmão Batista – como e mais conhecido – foi curado da doença. Nesta entrevista ao colaborador Fábio Santana, ele conta detalhes da experiência. Confira:




Irmão Batista, como você contraiu a covid-19?
Eu contraí com uma pessoa que estava infectada, uma companheira de trabalho. Ela não sabia que estava infectada e tivemos aproximações com ela – aperto de mão, abraço. Ela é uma pessoa muito animada, conversa com todo mundo. Ninguém imaginava que ela estava com o vírus. Depois deste período, com cinco dias ela foi afastada do trabalho com a suspeita da covid-19. Ela fez o teste e, dois dias depois, as pessoas que se aproximaram dela também ficaram com os sintomas. Quando o exame dela chegou, o resultado deu positivo e a gente já estava com a covid. Fizemos, depois, o teste, que deram positivo. O vírus não avisa com quem está. O vírus apresenta sintomas gripais, como uma virose. Depois, vêm os outros sintomas. Por isso a importância do chamado isolamento social. Com os EPIs, por mais proteções que tenhamos, o isolamento social é que faz segurar um pouco esta pandemia.

Me diga o que se passou por sua cabeça quando soube que estava com a covid-19, vendo tantas pessoas morrerem ao contrair o vírus?
A realidade foi a seguinte: os sintomas, quando senti de início, procurei logo a UPA, mas na minha convicção eu não estava com o vírus. Porém, quando cheguei na UPA me colocaram no setor da covid. Fiquei em uma sala com cinco pessoas com suspeita. Quando a médica veio, falei para ela o que sentia e disse: ‘estou apenas com crise de amigdalite. Se eu tomar uma Benzetacil, creio que vou melhorar’. Assim ela fez, aplicou uma Benzetacil. Depois eu voltei para casa.
Depois de uns dois dias, a garganta melhorou um pouco, mas não desinflamou. A situação se agravou. Comecei a ter diarreia. As dores no corpo aumentaram. Então, voltei à UPA para ser examinado e me encaminharam ao Hospital Regional do Agreste. Lá, fui examinado por um médico que me passou medicações, as quais tomei e passei por situações muito difíceis. No terceiro dia, eu pensei que iria morrer – com febre, diarreia, dores no corpo. Contudo, o Senhor Jesus me concedeu esta vitória. Confesso: pensei que iria descer à sepultura, mas se cumpriu a vontade do Senhor Jesus. Comecei a pedir ao Senhor para Ele usar de misericórdia, e Ele ouviu minha oração. Aquele que confia e crê pode ter certeza: o Senhor estende as Suas mãos de poder e usa de misericórdia.

Como foi todo o processo de quarentena por causa da doença?
No momento que fui diagnosticado como o vírus, passei uns dias em isolamento em minha casa. Não foi fácil. Os sintomas iniciais que apareceram foram tosse seca, dores no corpo e dor de cabeça. No segundo dia, eu senti a garganta inflamada, febre. Daí por diante, começou o processo. Perdi o paladar, o olfato. Passei um período de quase seis dias praticamente sem me alimentar. Se eu colocasse, por exemplo, uma banana ou uma maçã na boca, passava quatro ou cinco minutos mastigando para engolir, com a maior dificuldade. No quinto dia, eu estava com diarreia. Nos sexto e sétimo dias, além da diarreia, vômito, e muitas dores. Mas depois disto, para glória do Senhor, Ele usou de misericórdia e me fez vencedor. Repito: Jesus me fez vencedor contra a covid-19.

Que mensagem o irmão pode deixar para nossos leitores?
Eu digo: esta doença não é brincadeira, é algo sério. Digo a qualquer pessoa: procure orientação médica para tomar qualquer medicamento. Não tome medicamento sem orientação. Esta doença mata. Não é brincadeira.




Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid