Pular para o conteúdo principal

Curado de covid-19, Irmão Batista conta seu testemunho


O enfermeiro João Batista Vieira Sales, natural de Catende-PE, congrega na Igreja Assembleia de Deus. Ele contraiu a covid-19 no ambiente de trabalho. Após uma quarentena com muitas dificuldades, mas com fé na graça e na misericórdia do Senhor Jesus, o Irmão Batista – como e mais conhecido – foi curado da doença. Nesta entrevista ao colaborador Fábio Santana, ele conta detalhes da experiência. Confira:




Irmão Batista, como você contraiu a covid-19?
Eu contraí com uma pessoa que estava infectada, uma companheira de trabalho. Ela não sabia que estava infectada e tivemos aproximações com ela – aperto de mão, abraço. Ela é uma pessoa muito animada, conversa com todo mundo. Ninguém imaginava que ela estava com o vírus. Depois deste período, com cinco dias ela foi afastada do trabalho com a suspeita da covid-19. Ela fez o teste e, dois dias depois, as pessoas que se aproximaram dela também ficaram com os sintomas. Quando o exame dela chegou, o resultado deu positivo e a gente já estava com a covid. Fizemos, depois, o teste, que deram positivo. O vírus não avisa com quem está. O vírus apresenta sintomas gripais, como uma virose. Depois, vêm os outros sintomas. Por isso a importância do chamado isolamento social. Com os EPIs, por mais proteções que tenhamos, o isolamento social é que faz segurar um pouco esta pandemia.

Me diga o que se passou por sua cabeça quando soube que estava com a covid-19, vendo tantas pessoas morrerem ao contrair o vírus?
A realidade foi a seguinte: os sintomas, quando senti de início, procurei logo a UPA, mas na minha convicção eu não estava com o vírus. Porém, quando cheguei na UPA me colocaram no setor da covid. Fiquei em uma sala com cinco pessoas com suspeita. Quando a médica veio, falei para ela o que sentia e disse: ‘estou apenas com crise de amigdalite. Se eu tomar uma Benzetacil, creio que vou melhorar’. Assim ela fez, aplicou uma Benzetacil. Depois eu voltei para casa.
Depois de uns dois dias, a garganta melhorou um pouco, mas não desinflamou. A situação se agravou. Comecei a ter diarreia. As dores no corpo aumentaram. Então, voltei à UPA para ser examinado e me encaminharam ao Hospital Regional do Agreste. Lá, fui examinado por um médico que me passou medicações, as quais tomei e passei por situações muito difíceis. No terceiro dia, eu pensei que iria morrer – com febre, diarreia, dores no corpo. Contudo, o Senhor Jesus me concedeu esta vitória. Confesso: pensei que iria descer à sepultura, mas se cumpriu a vontade do Senhor Jesus. Comecei a pedir ao Senhor para Ele usar de misericórdia, e Ele ouviu minha oração. Aquele que confia e crê pode ter certeza: o Senhor estende as Suas mãos de poder e usa de misericórdia.

Como foi todo o processo de quarentena por causa da doença?
No momento que fui diagnosticado como o vírus, passei uns dias em isolamento em minha casa. Não foi fácil. Os sintomas iniciais que apareceram foram tosse seca, dores no corpo e dor de cabeça. No segundo dia, eu senti a garganta inflamada, febre. Daí por diante, começou o processo. Perdi o paladar, o olfato. Passei um período de quase seis dias praticamente sem me alimentar. Se eu colocasse, por exemplo, uma banana ou uma maçã na boca, passava quatro ou cinco minutos mastigando para engolir, com a maior dificuldade. No quinto dia, eu estava com diarreia. Nos sexto e sétimo dias, além da diarreia, vômito, e muitas dores. Mas depois disto, para glória do Senhor, Ele usou de misericórdia e me fez vencedor. Repito: Jesus me fez vencedor contra a covid-19.

Que mensagem o irmão pode deixar para nossos leitores?
Eu digo: esta doença não é brincadeira, é algo sério. Digo a qualquer pessoa: procure orientação médica para tomar qualquer medicamento. Não tome medicamento sem orientação. Esta doença mata. Não é brincadeira.




Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Estímulo à leitura através da produção literária

Dentre os ofícios do professor, encontra-se o de conduzir os alunos ao universo das artes; ao professor de língua portuguesa, cujo objeto de estudo é a palavra, abordar a arte literária é fundante, nesse intuito, os professores da Escola de Referência em Ensino Médio Professor Lisboa, localizada no bairro da Cohab I, em Caruaru — Pernambucano promovem bimestralmente saraus literários com o foco no despertar da leitura e produção escrita de seus alunos. 



Anualmente, a escola realiza o Concurso de Redação Professora Fernanda Freitas (esse nome é homenagem póstuma a uma ex professora); o concurso elenca diversos gêneros textuais dentre literários e argumentativos; este ano, em sua quarta edição e com o tema “Pelos caminhos da leitura: descobertas do eu e do mundo” os alunos debruçar-se-ão nos gêneros: conto, crônica, dissertação-argumentativa, carta e/ou poesia.
Ademais do concurso, na manhã de premiação dos primeiros colocados em cada categoria, ocorre concomitantemente a publicação da An…