Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro e a diferença entre um servidor público e um engenheiro social - por Bráulia Ribeiro

O que é o bom político? Como podemos julgar o momento atual, o presidente Bolsonaro e a atuação de nossos muitos representantes? Como interpretar este cenário crivado de ódios partidários, disputas comezinhas, ressentimentos e traições?
O que é boa política e qual é a diferença entre ela e o auto interesse sórdido que coloca interesses particulares em primeiro lugar acima da vontade do povo? Para saber julgar o cenário nacional temos que também entender o que define o bom político.
Primeiro precisamos sair da discussão viciada que culpa a corrupção por tudo, reduzindo o ideal político apenas a integridade moral. Não meter a mão no cofre político não é virtude. É política 1.0, o mínimo que se espera de um servidor público. O bom político tem que demonstrar outras qualidades.
O filósofo político Isaiah Berlin faz referência a uma capacidade essencial que o político excepcional demonstra e ele chama isto de “julgamento político”. Políticos do bem ou do mal se destacam na vida pública por causa desta habilidade, segundo Berlin.
O que é isto? É um conhecimento específico? Seria um conhecimento da teoria da social ou ciência política, como alguns filósofos do passado parecem inferir? Conhecer teorias sobre o funcionamento político da sociedade capacita o político? Ou seria necessário um conhecimento mais técnico? Fazendo uma analogia com o conhecimento médico de anatomia Berlin pergunta se um conhecimento técnico pode prescindir de uma percepção prática. Ele resolve que não. O médico pode saber tudo de anatomia, mas se não tem conhecimento prático dela não é capaz de deter doenças.
Seja os pensadores tecnocratas como Fourier ou Comte, ou os dogmáticos como Hegel e Marx, todos incorrem no mesmo erro, diz Berlin; eles não sabem como a verdadeira percepção sobre a natureza da sociedade que inspira o político eficaz é construída. Perdidos no teoricismo dos iluministas do século XVIII, intelectuais, cientistas políticos e até jornalistas perderam a capacidade de identificar a realidade, separando-a da mera abstração, de princípios, das descrições “anatômicas” e meta-teóricas, e principalmente das utopias dos romantismos e das projeções matemáticas.
O que é o bom político? Como podemos julgar o momento atual, o presidente Bolsonaro e a atuação de nossos muitos representantes? Como interpretar este cenário crivado de ódios partidários, disputas comezinhas, ressentimentos e traições?
O que é boa política e qual é a diferença entre ela e o auto interesse sórdido que coloca interesses particulares em primeiro lugar acima da vontade do povo? Para saber julgar o cenário nacional temos que também entender o que define o bom político.
Primeiro precisamos sair da discussão viciada que culpa a corrupção por tudo, reduzindo o ideal político apenas a integridade moral. Não meter a mão no cofre político não é virtude. É política 1.0, o mínimo que se espera de um servidor público. O bom político tem que demonstrar outras qualidades.
O filósofo político Isaiah Berlin faz referência a uma capacidade essencial que o político excepcional demonstra e ele chama isto de “julgamento político”. Políticos do bem ou do mal se destacam na vida pública por causa desta habilidade, segundo Berlin.
O que é isto? É um conhecimento específico? Seria um conhecimento da teoria da social ou ciência política, como alguns filósofos do passado parecem inferir? Conhecer teorias sobre o funcionamento político da sociedade capacita o político? Ou seria necessário um conhecimento mais técnico? Fazendo uma analogia com o conhecimento médico de anatomia Berlin pergunta se um conhecimento técnico pode prescindir de uma percepção prática. Ele resolve que não. O médico pode saber tudo de anatomia, mas se não tem conhecimento prático dela não é capaz de deter doenças.
Seja os pensadores tecnocratas como Fourier ou Comte, ou os dogmáticos como Hegel e Marx, todos incorrem no mesmo erro, diz Berlin; eles não sabem como a verdadeira percepção sobre a natureza da sociedade que inspira o político eficaz é construída. Perdidos no teoricismo dos iluministas do século XVIII, intelectuais, cientistas políticos e até jornalistas perderam a capacidade de identificar a realidade, separando-a da mera abstração, de princípios, das descrições “anatômicas” e meta-teóricas, e principalmente das utopias dos romantismos e das projeções matemáticas.
Este conhecimento adquirido formalmente louvado pelos iluministas prescindiria de outras habilidades, e de maneira científica e técnica conduziria o político a tomar decisões acertadas. O problema é que políticos desta natureza são na verdade engenheiros sociais e não servidores do povo. Segundo Berlin, esta educação política tecnicista não forma o bom político. O socialismo-científico de Lenin e Stalin por exemplo gerou líderes de seita, fanáticos e indiferentes ao povo, ao invés de técnicos capazes.
Aristóteles ao falar da capacidade política se refere a uma qualidade, a φρόνησῐς  ou phrónēsisA tradução correta para esta palavra não é “sabedoria” como alguns dicionários indicam, mas sim “razão prática”. Ele fala de uma capacidade de raciocínio ou intuição prática, que inclui a deliberação e a síntese, não apenas a simples análise do problema. Esta capacidade permite ao político intuir as implicações concretas das decisões que toma e a reação do povo.
Para Berlin, o político que possui esta qualidade calça os sapatos do povo, e sabe sentir como as decisões vão afetar de maneira concreta as pessoas que está pretendendo guiar.
Esta habilidade é contextual, não é um princípio que se aplica de maneira geral. Ela revê cada momento social pelo que é.  Esta capacidade política não é mágica ou mística tampouco, é uma espécie de percepção empírica da realidade social.
Ela implica na “integração de uma quantidade vasta de informações em constante mudança, reconhecendo nelas possibilidades passadas e futuras, e no processo de convertê-las em experiência”. Ela implica em discernir o que o político pode fazer pelos outros e o que os outros podem fazer por si mesmos. Isaiah Berlin compara os políticos, assim, aos bons escritores, que demonstram uma percepção extraordinária para a textura da vida, que são capazes de colocar em palavras o que outros apenas intuem.
Aplicando isto a nosso contexto, só posso pensar que o Brasil é um país dominado hoje por pessoas sem a menor phrónēsis. A arrogância e distanciamento da realidade dos homens públicos brasileiros é coisa de ficção de distopia. Políticos como Dória, como o governador do Pará Helder Barbalho, como Wilson Witzel, ou até os ministros do STF que estendem a sua tenda de poder para acampar todas as instâncias decisivas do país não são meros servidores públicos, são engenheiros sociais segundo a tradição de Robespierre e Himmler.
Nossos homens de mídia não ficam atrás. Vi o repórter do Antagonista Claudio Dantas desdenhando o presidente. Bolsonaro cruzou a avenida, no dia 7 de maio, para ir ao prédio do STF com um grupo de empresários e ministros. Sua intenção era fazer um apelo desesperado ao órgão que lhe tirou completamente a possibilidade de tomar decisões pelo país na questão pandemia. A economia do país está agonizando, era seu apelo.
Depois da liberação do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril fica mais clara ainda a preocupação de Bolsonaro com o povo e como o sentimento do povo é sem dúvida o principal norteador de suas decisões políticas. Bolsonaro sabe que o povo brasileiro quer liberdade para trabalhar mais do que quer comida de graça. Sabe que o brasileiro em geral se educou politicamente, sabe como funciona uma democracia, e não se deixa mais enganar por discursos populistas vazios. O Brasil quer um país que funcione. E está disposto a lutar por ele.
Mas jornalistas como Claudio Dantas, Felipe Moura Brasil, e outros que insistem ainda na narrativa da prevaricação presidencial que justifica um possível impeachment, são frutos do iluminismo apesar de se posicionarem à direta do espectro político. A sua teoria sobre o que seja a “boa política” não inclui a vida prática. Claudio Dantas quando desdenha o desespero do presidente, o emocionalismo com que se comunica, os palavrões que usa, desdenha também o desespero do povo que o presidente claramente representa.
Bolsonaro, nos últimos dois meses, foi obrigado pelo STF e pelo Congresso a reduzir a sua participação pública a um espetáculo teatral diário. Isto incomoda os teóricos profundamente. Mas as provocações teatrais de Bolsonaro não são fruto de uma personalidade histriônica, são ações políticas. O presidente, roubado de suas funções executivas constitucionais por um congresso que se recusa a colocar em votação medidas a ele enviadas, e por um STF que veta suas ordens, continua, no entanto, liderando o país. Lidera agora através de uma espécie de teatro da liberdade que encena no palco do Planalto.
Num país onde engenheiros sociais se esmeram em criar medidas para controlar onde o povo vai, como vai, o que usa, o que diz e até o que pensa, o presidente ainda insiste em ser livre.
Insiste em manifestar publicamente o que ele sabe ser a percepção do povo: as medidas sanitárias adotadas pelos tiranos que mantém o país trancado à sete chaves, tem mais a ver com a ambição pessoal destes homens do que com a saúde da população.
O que é o bom político? Como podemos julgar o momento atual, o presidente Bolsonaro e a atuação de nossos muitos representantes? Como interpretar este cenário crivado de ódios partidários, disputas comezinhas, ressentimentos e traições?
O que é boa política e qual é a diferença entre ela e o auto interesse sórdido que coloca interesses particulares em primeiro lugar acima da vontade do povo? Para saber julgar o cenário nacional temos que também entender o que define o bom político.
Primeiro precisamos sair da discussão viciada que culpa a corrupção por tudo, reduzindo o ideal político apenas a integridade moral. Não meter a mão no cofre político não é virtude. É política 1.0, o mínimo que se espera de um servidor público. O bom político tem que demonstrar outras qualidades.
O filósofo político Isaiah Berlin faz referência a uma capacidade essencial que o político excepcional demonstra e ele chama isto de “julgamento político”. Políticos do bem ou do mal se destacam na vida pública por causa desta habilidade, segundo Berlin.
O que é isto? É um conhecimento específico? Seria um conhecimento da teoria da social ou ciência política, como alguns filósofos do passado parecem inferir? Conhecer teorias sobre o funcionamento político da sociedade capacita o político? Ou seria necessário um conhecimento mais técnico? Fazendo uma analogia com o conhecimento médico de anatomia Berlin pergunta se um conhecimento técnico pode prescindir de uma percepção prática. Ele resolve que não. O médico pode saber tudo de anatomia, mas se não tem conhecimento prático dela não é capaz de deter doenças.
Seja os pensadores tecnocratas como Fourier ou Comte, ou os dogmáticos como Hegel e Marx, todos incorrem no mesmo erro, diz Berlin; eles não sabem como a verdadeira percepção sobre a natureza da sociedade que inspira o político eficaz é construída. Perdidos no teoricismo dos iluministas do século XVIII, intelectuais, cientistas políticos e até jornalistas perderam a capacidade de identificar a realidade, separando-a da mera abstração, de princípios, das descrições “anatômicas” e meta-teóricas, e principalmente das utopias dos romantismos e das projeções matemáticas.
Este conhecimento adquirido formalmente louvado pelos iluministas prescindiria de outras habilidades, e de maneira científica e técnica conduziria o político a tomar decisões acertadas. O problema é que políticos desta natureza são na verdade engenheiros sociais e não servidores do povo. Segundo Berlin, esta educação política tecnicista não forma o bom político. O socialismo-científico de Lenin e Stalin por exemplo gerou líderes de seita, fanáticos e indiferentes ao povo, ao invés de técnicos capazes.
Aristóteles ao falar da capacidade política se refere a uma qualidade, a φρόνησῐς  ou phrónēsisA tradução correta para esta palavra não é “sabedoria” como alguns dicionários indicam, mas sim “razão prática”. Ele fala de uma capacidade de raciocínio ou intuição prática, que inclui a deliberação e a síntese, não apenas a simples análise do problema. Esta capacidade permite ao político intuir as implicações concretas das decisões que toma e a reação do povo.
Para Berlin, o político que possui esta qualidade calça os sapatos do povo, e sabe sentir como as decisões vão afetar de maneira concreta as pessoas que está pretendendo guiar.
Esta habilidade é contextual, não é um princípio que se aplica de maneira geral. Ela revê cada momento social pelo que é.  Esta capacidade política não é mágica ou mística tampouco, é uma espécie de percepção empírica da realidade social.
Ela implica na “integração de uma quantidade vasta de informações em constante mudança, reconhecendo nelas possibilidades passadas e futuras, e no processo de convertê-las em experiência”. Ela implica em discernir o que o político pode fazer pelos outros e o que os outros podem fazer por si mesmos. Isaiah Berlin compara os políticos, assim, aos bons escritores, que demonstram uma percepção extraordinária para a textura da vida, que são capazes de colocar em palavras o que outros apenas intuem.
Jair Bolsonaro na reunião com ministros (Marcos Corrêa / PR)
Aplicando isto a nosso contexto, só posso pensar que o Brasil é um país dominado hoje por pessoas sem a menor phrónēsis. A arrogância e distanciamento da realidade dos homens públicos brasileiros é coisa de ficção de distopia. Políticos como Dória, como o governador do Pará Helder Barbalho, como Wilson Witzel, ou até os ministros do STF que estendem a sua tenda de poder para acampar todas as instâncias decisivas do país não são meros servidores públicos, são engenheiros sociais segundo a tradição de Robespierre e Himmler.
Nossos homens de mídia não ficam atrás. Vi o repórter do Antagonista Claudio Dantas desdenhando o presidente. Bolsonaro cruzou a avenida, no dia 7 de maio, para ir ao prédio do STF com um grupo de empresários e ministros. Sua intenção era fazer um apelo desesperado ao órgão que lhe tirou completamente a possibilidade de tomar decisões pelo país na questão pandemia. A economia do país está agonizando, era seu apelo.
Depois da liberação do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril fica mais clara ainda a preocupação de Bolsonaro com o povo e como o sentimento do povo é sem dúvida o principal norteador de suas decisões políticas. Bolsonaro sabe que o povo brasileiro quer liberdade para trabalhar mais do que quer comida de graça. Sabe que o brasileiro em geral se educou politicamente, sabe como funciona uma democracia, e não se deixa mais enganar por discursos populistas vazios. O Brasil quer um país que funcione. E está disposto a lutar por ele.
Mas jornalistas como Claudio Dantas, Felipe Moura Brasil, e outros que insistem ainda na narrativa da prevaricação presidencial que justifica um possível impeachment, são frutos do iluminismo apesar de se posicionarem à direta do espectro político. A sua teoria sobre o que seja a “boa política” não inclui a vida prática. Claudio Dantas quando desdenha o desespero do presidente, o emocionalismo com que se comunica, os palavrões que usa, desdenha também o desespero do povo que o presidente claramente representa.
Bolsonaro, nos últimos dois meses, foi obrigado pelo STF e pelo Congresso a reduzir a sua participação pública a um espetáculo teatral diário. Isto incomoda os teóricos profundamente. Mas as provocações teatrais de Bolsonaro não são fruto de uma personalidade histriônica, são ações políticas. O presidente, roubado de suas funções executivas constitucionais por um congresso que se recusa a colocar em votação medidas a ele enviadas, e por um STF que veta suas ordens, continua, no entanto, liderando o país. Lidera agora através de uma espécie de teatro da liberdade que encena no palco do Planalto.
Num país onde engenheiros sociais se esmeram em criar medidas para controlar onde o povo vai, como vai, o que usa, o que diz e até o que pensa, o presidente ainda insiste em ser livre.
Insiste em manifestar publicamente o que ele sabe ser a percepção do povo: as medidas sanitárias adotadas pelos tiranos que mantém o país trancado à sete chaves, tem mais a ver com a ambição pessoal destes homens do que com a saúde da população.
Aristóteles não daria a Bolsonaro o título de homem magnânimo, lhe falta finesse. Ele se vinga, se entorta, se irrita, não é comedido o bastante para o grego que admirava uma personalidade mais moderada. Mas acredito que ambos, Aristóteles e Berlin com certeza reconheceriam nele um político de verdade.
Ficou claro no vídeo da reunião ministerial que a empatia com a dor do povo está por trás de toda a frustração que ele manifesta. O que lhe falta em moderação lhe sobra em coragem.
E por mais absurdo que pareça à classe intelectual brasileira, de acordo com Berlin, fica claro que o presidente é um bom político. O que não lhe falta é o sentimento de empatia e a visão global, que segundo o filósofo, separa o servidor público de um perigoso engenheiro social.[1]
[1] Artigo inspirado no clássico ensaio de Isaiah Berlin: “On Political Judgement” nas reflexões de Aristóteles em Política e Ética de Nicômano e na aula do Dr. Steven B. Smith de Yale.

Bráulia Ribeiro trabalhou como missionária na Amazônia e no Pacífico Sul. É Mestre em Divindade pela Universidade de Yale, Estados Unidos, e doutoranda em história e teologia política na Universidade de St. Andrews, Escócia. É autora dos livros Chamado Radical e Tem Alguém Aí Em Cima?, publicados pela Editora Ultimato. É casada com Reinaldo Ribeiro e mãe de três filhos.

Fonte: Gospel Prime

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid