Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | Uma simples opinião - por Jorge Xavier

Após os os últimos acontecimentos políticos na nossa nação, resolvi dar a minha opinião, (enquanto posso), pois o direito de ir e vir e o de trabalhar já nos foi tirado. Bem, sobre a novela Moro X Bolsonaro não quero aqui dizer quem tem razão, pois ainda é muito cedo para tal julgamento, como é de conhecimento de muitos votei em Jair Bolsonaro no primeiro e segundo turno e não me arrependo. Pois naquele momento precisava escolher entre um corrupto e um honesto (até que se prove o contrário), era preciso escolher entre democracia e a ditadura que esquerda queria implantar no nosso país e torná-lo igual a uma Venezuela, Cuba e Coreia do Norte... aliados dessa esquerda. Esquerda essa que posso falar um pouco, pois um dia fui militante ferrenho, desde 1988 que acompanho política no Brasil e até 2006 fui militante dessa esquerda, que tem por objetivo final, a destruição das famílias, a degradação dos valores éticos e morais e abolição (negação) de Deus do meio da sociedade, isso justifica o meu voto em 2018.

Foto: José Cruz/ABr


Sobre a novela em questão, não acredito que o Bolsonaro seja 100% correto, assim só temos um, Cristo Jesus, homens são falhos e saem do propósito. Aqui também não posso negar a importância de Sérgio Moro para o país, sobretudo no combate a corrupção (Lava-jato) e também como ministro, agora, analisando ontem a fala do Ministro, pude identificar algumas coisas:

Primeiro, ele estava visivelmente magoado.

Segundo, acordos pessoais, não se deve levar a público, isso é deslealdade.

Terceiro, não pensou no país, já que estamos vivendo um momento caótico.

Quarto, Vazou informações para a Globo.

Quinto, se haviam interferências, por parte do Presidente, por que não denunciou antes e pediu investigação?

Se o Presidente errou ou se corrompeu, precisa ser julgado e responder pelos seus atos, apesar que, intervenção na polícia federal não é novidade, todos os outros Presidentes que passaram, pelo menos os últimos, fizeram isso. 

Como cidadão que sou, acredito que a igreja precisa sempre se posicionar politicamente, não partidáriamente como instituição, mas enquanto cidadãos que somos, precisamos nos posicionar sempre ao lado dos princípios Judaico Cristãos e valores de honestidade e caráter, como bem disse o Rev Augusto Nicodemos: A igreja não pode ser senhora e nem escrava do estado, ela precisa ser a consciência do estado.

Para finalizar, ressalto que não me arrependo do meu voto, se for provado que o Presidente é corrupto, além de não mais votar nele, farei campanha contra e me posicionarei publicamente.

Por isso, sigo acreditando que o Brasil está acima de tudo e que DEUS está acima de todos!



Jorge Xavier é estudante de Gestão Comercial

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio