Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | É melhor competir ou colaborar? - por Jorge Xavier

Recentemente vi a seguinte frase: "Colaborar é melhor que competir".

Parece que o senso de colaboração está aflorando nas pessoas e empresas, sobretudo com o advento da pandemia, pelo visto as pessoas começaram a entender que: Colaborar é muito melhor que competir, quando há colaboração, todos crescem e todos ganham, há espaço pra todos no mercado.

Recentemente a Netflix postou em uma rede social, indicações de programação em outras plataformas como: HBO, Globo Play e etc... Mas o que significa isso? Agora eu vou fazer propaganda do meu concorrente? Não. Simplesmente eles entenderam que no mundo dos negócios, podem haver parcerias e indicações, afinal ninguém consegue crescer sozinho, muito menos uma empresa consegue atender todo mercado, então com esse espírito de colaboração, todos se fortalecem.

Tenho visto diariamente, profissionais de diversas áreas dividindo lives com outros, compartilhando conhecimento e consequentemente ganhando audiência e futuros clientes. Isso demonstra que as pessoas começaram a entender que o mundo não é somente delas e que, há lugar para todos debaixo do sol.



Dentro das organizações muitas vezes a competição é estimulada, mas se a dose for demasiada poderá trazer danos irreparáveis, quando há disputa por um cargo, por exemplo, se não há regras claras, a disputa vira uma verdadeira guerra e quem conquista o cargo fica sem sustentação para assumir e obter resultados efetivos.

Em um ambiente colaborativo, em que o trabalho de equipe é valorizado, os melhores se destacam naturalmente e ocupam os melhores cargos.

Assim torço pra que esse espírito de colaboração possa contagiar toda nossa sociedade e é claro que todos não precisam ser iguais, afinal de contas, são as diferenças que nos completam, o que falta em mim, sobra no outro e vice versa, e todos sairemos dessa crise, muito mais fortes e com certeza nunca mais seremos os mesmos.

Juntos somos mais fortes!


Jorge Xavier é estudante de Gestão Comercial

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio