Pular para o conteúdo principal

Política em Movimento | Relato de um ex-bolsominion – por André Santos


Desde 2013, quando fomos às ruas em busca de mudança de um governo que quebrou o país através dos seus esquemas megalomaníacos de corrupção feitos pelo Mensalão e Petrolão, fomos em busca da renovação no executivo do Brasil. Tanto que nas eleições de 2014 quase metade da população brasileira votou na oposição, mesmo depois percebendo comprovadamente que não passava de um teatro das tesouras, onde eram apenas duas quadrilhas brigando para ver quem tomava conta do Estado.

Em 2016 conseguimos, também depois de irmos às ruas, o impeachment da ex-presidente – que, mais do que das pedaladas, - fazia uma gestão que era também uma junção incompetência de gestão com corrupção sistêmica.

2018 foi o ano mais atípico da história política dos últimos trinta anos. Começamos o ano com o ex-presidente preso, e fomos à urna levando um deputado de baixo clero que tinha trinta anos. Um deputado medíocre, mas que surfou na onda da Operação Lava-jato e no antipetismo. Apesar de ter sido ferido por uma facada, fizemos campanha para ele.



Fomos para uma vitória histórica de um candidato que dizia que que ia quebrar o sistema, mas que, no mesmo ano que ganhou, começou a proteger se filho comprovadamente corrupto, e depois do mandato começou a fazer o alinhamento com o centrão, fora as diversas crises criadas pela incompetência do presidente.

Hoje, dia 24/04/2020, o governo Bolsonaro acabou. O agora ex-ministro Sérgio Moro se demitiu, alegando a interferência do atual presidente na Polícia Federal, mostrando o grande corrupto que o presidente é, fora a aprovação do Juiz de Garantia e a proteção de integrantes do governo corrupto. Hoje é o último dia deste governo. Apenas o Impeachment resolverá a situação. Bolsonaro é ex-presidente, e posso dizer que sou um ex-bolsominion.



André Santos é pós-graduado em Gestão Pública

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio